Rádio Observador

Democracia

Conservador, liberal e, obviamente, de direita /premium

Autor
328

Usando uma comparação vinda do futebol. A direita está no banco e apenas joga quando o PS se magoa e tem que sair. Eis a dimensão dos fracassos históricos das lideranças do PSD e do CDS desde 1974.

Desde o 25 de Abril, nenhum político português se afirmou nos termos do título desta crónica. Esta talvez seja a maior derrota da direita portuguesa durante a história do regime democrático. Há, naturalmente, explicações poderosas para tal derrota. A mais óbvia, e a mais referida, é o peso da herança do Estado Novo. O Salazarismo tem sido o grande fardo da direita portuguesa. Cada vez que um político de direita ousa tentar sair do armário ideológico mais antigo da democracia portuguesa, as brigadas das esquerdas e dos sociais democratas envergonhados indicam logo, com maior ou menor brutalidade, o caminho de volta para o esconderijo da vergonha. E os políticos de direita, obedientes, continuam no armário 44 anos depois do 25 de Abril.

Há, no entanto, problemas mais profundos do que o Salazarismo, apesar de estarem de certo modo ligados ao Estado Novo. Ao primeiro podemos chamar educação política durante o Estado Novo. Muitos dos líderes da direita portuguesa foram educados, ideologicamente, durante o Estado Novo, quer através da formação universitária nas escolas do regime, como até através da convivência com as elites salazaristas e marcelistas. Os políticos que vieram da política do Estado Novo para o PSD e o CDS enfrentaram um grande desafio: a articulação de um discurso de direita para o regime democrático. Obviamente teriam que ser capazes de derrotar a colagem das direitas ao Salazarismo pelas esquerdas. Mas a direita não deve desculpar-se com as estratégias das esquerdas. O papel dos socialistas, comunistas e bloquistas é fazer a vida difícil à direita, e devemos reconhecer que o têm feito de um modo muito eficaz.

Sá Carneiro e mais tarde Lucas Pires tentaram construir um discurso liberal de direita, mas morreram cedo e muito longe de terem terminado a sua contribuição para a formação de uma direita democrática em Portugal. Ninguém jamais saberá o que teriam alcançado. Freitas do Amaral, Rebelo de Sousa e Cavaco Silva poderiam ter articulado um discurso democrata-cristão mas, tirando o primeiro (derrotado pela combinação fatal de fraqueza e ambição), nunca tentaram. Cavaco reduziu a democracia cristã à esfera privada e acreditou sempre que o sucesso económico e a competência financeira substituiriam a ideologia. Enganou-se. Muito à semelhança de Cavaco, Rebelo de Sousa tornou-se um pragmático exemplar, tendo feito o necessário para ser eleito Presidente, e fará de novo o suficiente para ser reeleito. Mas se existir uma dimensão ideológica na práctica política de Rebelo de Sousa é a democracia cristã. Ele perceberá, quando já for tarde, que o seu maior fracasso terá sido a incapacidade de articular um discurso democrata cristão de direita. A imortalidade de Mário Soares deve-se, antes de qualquer outra coisa, à coragem e convicção com que se afirmava “socialista, republicano e laico.” No plano da definição ideológica do seu campo político, nenhum socialista estará acima dele. Rebelo de Sousa não será para a direita o que Soares foi para a esquerda.

O segundo problema das direitas foi a incapacidade de construir um discurso internacionalista e europeísta. Este problema é de resto partilhado por muitas outras direitas europeias. O nacionalismo dominou o pensamento das direitas europeias entre a Revolução Francesa e o início da integração europeia. Em França, os discursos das direitas foram, em grande medida, dominados pelas correntes legitimista (e contra-revolucionária) e Bonapartista, cujo expoente máximo na século XX foi De Gaulle. Na Alemanha, o pensamento nacionalista de Herder e de Hegel a Ranke e a Fichte dominou as tradições políticas de direita. A redução da direita ao nacionalismo culminou, tragicamente, no Nazismo de Hitler, no regime de Vichy e, em Portugal no Estado Novo (em Itália no fascismo de Mussolini e em Espanha no regime franquista).

O desastre da II Guerra Mundial e as longas décadas de ditaduras (a qual só terminou em Portugal em 1974) forçaram as direitas na Europa continental a separarem-se do nacionalismo e a construírem discursos internacionalistas e europeias. As experiências foram diferentes de país para país. Na Alemanha e em Itália, as direitas reconstruiram-se à volta do pensamento democrata-cristão e liberal (este último sobretudo na Alemanha). Em França, o nacionalismo, na versão Gaullista, foi mais resistente, mas as direitas acabaram, de um modo pouco estruturado, a reconstruirem-se com um discurso conservador e liberal. Em Espanha, de um modo mais consciente do que em França, o PP conseguiu combinar conservadorismo, liberalismo e democracia cristã nas suas doutrinas políticas. Em todos estes casos, as direitas libertaram-se dos fardos totalitários e autoritários

Portugal foi a excepção. As direitas portuguesas não se conseguem afirmar com orgulho e convicção. Como se a integração europeia nunca tivesse chegado aos partidos de direita (apesar de elegerem deputados europeus). Em Portugal, as direitas são envergonhadas, assustadas e incapazes de mobilizar ideologicamente o seu eleitorado. Continuam bem fechadas nos seus armários e quando abrem a porta é para se afirmarem como “não esquerdas”. O resultado dessa vergonha colectiva foi, desde 1995, só terem governado quando o PS falha, como aconteceu entre 2002 e 2005 e entre 2011 e 2015. No resto, estão condenadas à oposição, o que de resto é merecido para quem não tem coragem ideológica.

Usando uma comparação vinda do futebol. A direita está no banco e apenas joga quando o PS se magoa e tem que sair. Mas mal o PS recupera, a direita volta logo para o banco. Eis a dimensão dos fracassos históricos das lideranças do PSD e do CDS desde 1974. E, o pior de tudo, é que não parecem ter vontade de aprender.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Democracia

Ainda Hong Kong, Macau e a Democracia

Ricardo Pinheiro Alves

Hong Kong e Macau reflectem a diferença entre 330 anos de construção lenta e gradual, mas consistente, de Liberdade e Democracia no Reino Unido, e apenas 44 anos nem sempre consensuais em Portugal.

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)