Rádio Observador

2015-2016

Crónica de Ano Novo no País do Sempre em Pé

Autor
149

Descansa, irmão, das fadigas das viagens, do desalento da impiedade, da maldição dos poderosos. Nós por cá já percebemos que os donos disto tudo na verdade pouco possuem.

Repousa um pouco os olhos cansados de tanta guerra, meu irmão. Cansados de tanta raiva e sectarismo. Repousa e pousa-os sobre este nosso país amável, o Portugal de antigo do orgulho e da liberdade. Aqui, meu irmão amigo, há mesmo liberdade, somos todos filhos de uma só raça – a palavra também pode ser usada para o bem, sabias? -, um povo verde vermelho e de todas as cores, com ganas de viver, astúcia e competência. E, vês, com alegria.

Descansa, meu irmão, na capital do meu país, Lisboa: passeia-te pelas igrejas da cidade, convive com Camões e Gama, entra no silêncio da fé apaziguada, onde cabem como devem caber todos os mortais, cristãos, ateus ou de outra fé qualquer, descansa das atribulações de um tempo atribulado. Dos males quotidianos afasta os olhos irmão, contempla longamente como quem os saboreia os azulejos da Madre de Deus, as telas setecentistas de Vieira Lusitano e a capela de São João Baptista na Igreja de São Roque, d’ouro, marfim e lápis-lazuli.

Passeia-te por Lisboa irmão, longe do afã dos dias: ignora as parangonas sobre negócios e esquemas ignóbeis e contempla a fachada do chão martelada por artesãos com mãos de fada e uma antiga sabedoria; orgulha-te como nos devíamos orgulhar (mas não) da filigrana fina nas paredes, na calçada, nos telhados das urbes velhas deste país de marinheiros.

O Ocidente morre, irmão, ensimesmado, confundido no seu sonho de grandeza e omnipotência, incapaz de se erguer à altura dos princípios magníficos que inventou e de viver de acordo com eles, incapaz de ser capaz da grandeza com que sonha. Sufocado pelos pecados cometidos, como se fossem só seus, sua culpa exclusiva, universal e eterna, sobretudo eterna, prenhe do pessimismo ontológico de que fala o filósofo, o Ocidente fenece; e só vive ainda, de viver vivo, neste país aqui. Entre o Ocidente a oriente e o Ocidente ocidental está Portugal: de cá se fez ao mundo pelos caminhos do mar, aqui radica, daqui sobreviverá.

Sabes irmão, meu cansado irmão da guerra, de vez em quando alguns de nós proclamam que não valemos nada, somos a mais insignificante das nações, preguiçosos e incompetentes, incapazes de nos governarmos. Ora tu sabes, meu irmão que calcorreias os caminhos deste país de transeuntes – transitoriamente motorizados -, como é difícil acreditar nisso. Belo, amável, seguro, competente, histórico. Porque lidamos tão mal, e precisamos tanto, dos elogios alheios? Selo de qualidade da nossa cultura; da nossa gente; do nosso país?

Vem comigo, meu irmão, ver este país de Marinheiros – “o meu país das Naus, de Esquadras e de Frotas” (António Nobre) -, onde é bom sofrer, nem que seja de saudade, porque sofrer de saudade é bom: os portugueses, irmão, navegam hoje as estradas e os céus da terra, à procura de uma vida melhor, mas levam consigo o seu país pois não há nenhum melhor para viver: assim somos, sabes, refugiados silenciosos no tempo do clamor dos refugiados, dos que fogem dos matadouros da terra e buscam a Ocidente, no decadente e moribundo Ocidente, segurança e refrigério. E nós, inventores da diáspora feliz, permanecemos os guardiões da nossa civilização e continuamos a navegar, porque navegar é preciso.

E o que buscamos, irmão, se tudo o que buscamos existe entre nós? Também não sei. Ouves os políticos deste país e temes por ele; ouves os banqueiros deste país e temes por ele; ouves os empresários deste país e temes por ele; ouves os autarcas deste país e temes por ele; ouves as elites e, meu querido irmão, temes pelo país. Mas depois viajas, cruzas o rectângulo de sul a norte, e repousam-se-te os olhos cansados. Vinhas no avião e, à vista da costa ocidental da Europa, lias ainda com o coração cheio novas deste país: melhor destino, melhor praia, melhor golf, melhor hotel, melhor cidade; o Douro, o Porto, o Alentejo, o Algarve.

E chegaste e ouviste as gentes. Tocou-te a gentileza (pena o taxista ter tentado enganar-te); consolou-te a culinária; marcaram-te os artistas, cientistas, desportistas (Vhils, aka Alexandre Farto, a cientista Maria Nunes Pereira, “o” Ronaldo na Forbes 2015?); impressionou-te, és assim, o talento e vigor dos jovens empreendedores (“young portuguese entrepreneurs conquer Silicon Valley”…). Ouviste e leste e falaste, conquistado como tantos ao longo das eras e, meu irmão descrente, deixaste de temer pelo país. E afinal, pensaste, de cabeça repleta da melancolia cantada pelos poetas, de Nobre a Garrett, Andrade, Al Berto, afinal, há alegria. “What a joyfull country”, exclamaste.

Descansa, irmão, das fadigas das viagens, do desalento da impiedade, da maldição dos poderosos. Nós por cá já percebemos que os donos disto tudo na verdade pouco possuem. Sofremos com os abusos, ainda estamos a recuperar, há muito a recuperar. É possível que nos próximos anos se sintam as consequências da depredação, irmão, mas até isso há-de passar. Até talvez ainda não saibamos tudo, de tal modo os poderes – as facções de um e outro lado – se conjugaram para nos confundir. Mas passará, como sempre. Ficaremos de pé, testemunhas vivas e irredutíveis dos valores do Ocidente.

Original rima com Portugal: somos o povo sempre em pé. Gentil e tolerante, compassivo e paciente. Mas não abusem da nossa paciência. Repousa um pouco os olhos meu irmão, cansado de tanta guerra. És bem vindo a este país, venhas de onde vieres. Sejas quem fores. Desde que venhas por bem. Fica bem.

Em meu nome e no do meu irmão estrangeiro bom ano de 2016. Um feliz ano para todos os portugueses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Despedida /premium

Paulo de Almeida Sande
166

Foi um gosto ter escrito aqui durante 4 anos e meio, desde o 1º dia. Conheci a ambição, alegrei-me com o crescimento, rejubilei com o sucesso. Escrevi, em total liberdade, sobre os mais variados temas

Brexit

Modo de sobrevivência /premium

Paulo de Almeida Sande

Se houver visão, espírito grande e coragem, os líderes políticos britânicos tomarão a decisão certa e, com espírito democrático e a lucidez de perceber o que está em jogo, devolverão a palavra ao povo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)