A resposta à questão que abre esta crónica é, se dirigida ao nosso país, quase retórica. Ouvimos comentar, desde muito novos, que o importante é ter saúde, porque tal é condição básica – está claro – para tudo o resto. Todo e qualquer humano sabe bem que esta é uma afirmação incontestável. A favor da verdade, todo, todo, não – apenas o comum dos mortais. E, curiosamente, há humanos que não pertencem a esta classe que julgava universal. Eu passo a explicar: até há bem pouco tempo, nunca tinha visto alguém a delirar ao retorquir a esta questão – bastante trivial, até, em qualquer término de conversa de café. Em todo o caso, noutro dia, ouvi um senhor, de seu apelido Centeno (creio), que devaneava sobre um país que temo não ser Portugal. E por que razão este senhor delirava? Já lá vamos!

Ora bem: estamos numa semana em que médicos e enfermeiros estão a “paralisar” hospitais por quatro dias, em protesto lógico contra o aumento das pérfidas condições que vão sendo ditadas para o nosso SNS, sobretudo em questão de recursos humanos. Os médicos param três dias, os enfermeiros quatro e, por cada dia de greve, são postas em causa 1500 cirurgias. Mais: inúmeras maternidades estão em risco de fechar este verão, por falta de obstetras e anestesistas, e as ausências por greve equivaleram, só até maio, a 72 mil dias de férias. Ora, de nada vale comparar este número – verdadeiramente desastroso – com os de anteriores executivos. Em todo o caso, e para quem o quiser fazer, poupo-lhe o trabalho: o executivo anterior, em 2015 – ano de legislativas, tal como este –, detinha pouco mais de metade deste número, em igual período de cinco meses.

Para piorar a trama, o SNS nunca teve tão poucos médicos em exclusividade (apenas cerca de 30%) e, tal como já admitido por inúmeras administrações hospitalares e pelos próprios quadros clínicos, os médicos-tarefeiros têm sido o garante de que um sem número de serviços hospitalares não feche portas, por escassez de recursos humanos. O Expresso, há dias, chegou mesmo a relatar um caso bizarro de um médico, na região do Algarve, que auferiu 326 mil euros em 2018. Bizarro por tal pressupor uma média de 17 horas de trabalho diárias, sem folgas, durante todo o ano. A razão de tudo isto é simples: o Estado, quando contrata médicos à hora, não tem “códigos” para cumprir e, como tal, resultam estas situações insólitas, onde certas pessoas se sujeitam a condições bizarras, cegos pela remuneração – ao ponto de termos estes outliers. E o que dizer da performance deste médico a partir da décima hora de trabalho diária e do eventual azar do doente que lhe calhe?

Então, porque é que o senhor mencionado acima alucina? Porque este senhor disse em entrevista, de peito cheio, que os recursos para a Saúde, em Portugal, nunca foram tantos, que nunca houve tantos médicos no SNS e que não existem cativações no setor. O que não disse é que, destes médicos, só 3 em cada 10 se encontram perfeitamente dedicados ao SNS. O que não referiu, também, é que nunca tivemos em risco de fechar maternidades por falta de recursos humanos. O que não comentou, ainda, é que o Hospital São João mantém crianças a fazer quimioterapia em contentores há anos. O que negligenciou foi que, de uma amostra de nove mil médicos inquiridos em todo o país, cerca de dois terços dizem estar em exaustão emocional. Em suma, o senhor que alucina só se “esqueceu” de comentar que tudo nunca esteve tão mal e nunca existiram tantas greves por parte de profissionais de saúde quanto este ano.

E é fácil entender as causas por detrás de tudo isto: as estatísticas são mais importantes que as pessoas, principalmente em ano eleitoral. Mas mais grave é trocarmos a Saúde de um país para termos, por contraparte, um ministro das Finanças que se digna apenas ao atingir de êxitos pessoais, como os fabulosos excedentes orçamentais de que se gaba. Vejamos que não é preciso ter cursado em Harvard, nem tampouco ser economista, para se saber que, se um país tem recursos orçamentais e não os utiliza, então terá mais excedentes do que numa situação em que os utiliza. A questão é que, no primeiro caso, os doentes podem morrer, se nada for feito. Mas, entre vislumbrar as 1500 cirurgias adiadas por dia – sabe-se lá para quando – ou ter uma estatística impecável, venha a estatística impecável. Senhor Centeno, obter excedentes orçamentais em detrimento do corte de verbas essenciais e de um país a rebentar pelas costuras qualquer palonço faria! Repito: não necessariamente um tão caro, de Harvard, nem sequer economista.

Economista, Mestre em Marketing e Consultor Estratégico