União Europeia

Em defesa da aliança euro-americana

Autor

Vamos ser claros: ideia de substituir a aliança euro-americana por uma aliança euro-chinesa não é apenas uma completa loucura — seria uma submissão.

A semana passada começou com uma chocante primeira página do Telegraph de Londres, logo na segunda-feira de manhã: ‘Army can’t keep up with Russia’. Não se tratava da opinião de um comentador avulso. Era a declaração do chefe das Forças Armadas britânicas, General Sir Nick Carter, denunciando o gigantesco investimento militar russo e a actual incapacidade britânica de lhe fazer frente.

Na semana anterior, o Pentágono acabara de publicar uma nova ‘Estratégia de Defesa Nacional’. O documento define a Rússia e a China como as ameaças mais sérias para os EUA e o mundo ocidental — mais do que o terrorismo islâmico.

E a semana passada terminou com uma capa surpreendente de uma revista britânica: ‘The Next War’ era o título em letras garrafais de The Economist. No editorial de abertura, a revista alerta:

‘Se a América permitir que a China e a Rússia estabeleçam hegemonias regionais — quer inconscientemente, quer porque a política americana se tornou demasiado disfuncional para conseguir gerar uma resposta — então [a América] estará a dar-lhes [à China e à Rússia] luz verde para prosseguirem os seus interesses pela força bruta.’

Entretanto, nestas mesmas duas últimas semanas, nas capitais europeias — incluindo parcialmente em Davos — estes temas eram superiormente ignorados. As capitais europeias continuam magnamente ocupadas com a campanha contra o chamado ‘nacionalismo’.

O termo ‘nacionalismo’ tornou-se elástico: inclui justamente a condenação de atitudes xenófobas, racistas e proteccionistas; mas também inclui a gratuita condenação da inofensiva oposição patriótica de inúmeros eleitorados de nações europeias (sobretudo da Europa central e de Leste) contra maior integração supranacional da União Europeia — designadamente, contra a definição supranacional das políticas de imigração de cada país, que sempre foram matéria dos Parlamentos nacionais.

Precisamente a este propósito, também esta semana uma outra revista britânica alertou para a dissonância cognitiva que ameaça o debate europeu. John O’Sullivan (antigo conselheiro da Sra. Thatcher, que estará de novo entre nós no próximo dia 10 de Fevereiro), escreveu o artigo que deu a capa da Spectator.

Chama-se ‘The fight for Europe’. Ainda que eu não subscreva inteiramente as opiniões de John O’Sullivan (um frequente participante nas sessões do Estoril Political Forum do IEP-UCP, sempre obviamente ignorados pelos ‘media’ politicamente correctos nacionais), creio que os alertas dele devem pelo menos ser tidos em conta. Por exemplo:

‘Estes europeus do centro e do leste entendem-se a si próprios como a verdadeira Europa. Uma Europa que valoriza o estado-nação, a família, políticas prudentes, a religião cristã, e a democracia maioritária — e vêem estes padrões como ecos mais autênticos da tradição europeia. Por isso, os seus conflitos com Bruxelas não são acerca de eles serem anti-europeus, mas acerca do que significa ser europeu.’

Concordemos ou não com O’Sullivan, creio que o seu olhar recomenda pelo menos prudência. E a prudência recomenda que o projecto europeu não deve ambicionar desenhos utópicos supranacionais — sob pena de podermos ficar com ‘mais Europa e… com menos europeus’.

Mas receio que este nem sequer seja agora o problema principal. O problema principal é que a obsessão de alguns sectores euro-federalistas contra o chamado ‘nacionalismo’ pode estar a gerar uma tentação fatal: a tentação de substituir a aliança entre a Europa e os EUA pela aliança euro-asiática… se preciso for com a China comunista!

O argumento começa a surgir em várias vozes. Ouvi recentemente um alto funcionário europeu citar positivamente a China três vezes numa intervenção pública de 20 minutos — em que insistentemente condenou o ‘nacionalismo’ dentro da Europa e na América de Trump. Inúmeros jornais europeus citam frequentemente a China como um parceiro desejável, ou pelo menos possível — sobretudo contra o que designam por ‘nacionalismo’ da América de Trump.

Vamos ser claros: a ideia de substituir a aliança euro-atlântica por uma aliança euro-chinesa não é apenas uma completa loucura — seria uma submissão.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Sobre o euro e o futuro da UE /premium

João Carlos Espada

Como alertaram insistentemente Edmund Burke e Alexis de Tocqueville, as culturas políticas inflexíveis geram recorrentemente a escolha enganadora entre Antigo Regime e Revolução.

Democracia

Votos para 2019: Conversação civilizada /premium

João Carlos Espada

Os meus votos para 2019 são de re-descoberta das boas tradições demo-liberais fundadas na perpétua conversação civilizada entre perspectivas rivais, a “corrente de ouro” de que falava Churchill.

União Europeia

Europa: o pior está para vir?

Henrique Burnay

O problema é que a Europa está sempre em crise à espera “da solução”. Entretanto, ao contrário dos países, não corre o risco de falir, mas sim de se desintegrar, de chegar ao fim.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)