Enquanto Primeiro-Ministro, António Costa deu um contributo absolutamente fundamental para os avanços que o País somou ao longo dos últimos oito anos.
Rede Social X, @psocialista

Chegou ao fim o trajecto de António Costa como primeiro-ministro. Que pena. Até estou um bocado abalado, confesso. Juro. Porque só há uma coisa que pode ser pior que António Costa como primeiro-ministro: o sucessor de António Costa como primeiro-ministro. Se é verdade que António Costa derrubou o muro que separava socialistas e comunistas, esperem para ver Pedro Nuno Santos saltar por cima dos destroços do muro e ir fazer amor com os comunistas para trás do pouco que resta da parede. Vai ser lindo, vai.

Neste momento ainda não se conhecem os factos que levaram à demissão de Costa, apenas que será alvo de um processo-crime. Mas tendo em conta a informação do Partido Socialista de que “Costa deu um contributo absolutamente fundamental para os avanços que o País somou ao longo dos últimos oito anos”, podemos confirmar que não foi por cansaço que o ex-chefe do governo abandonou o cargo. Se o contributo de Costa se refletiu nos avanços que Portugal somou nos últimos anos, o ex-primeiro-ministro está mais fresco que a relação Israel-Hamas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.