Rádio Observador

Benfica

Luís Filipe Vieira e o Sport Seixal e Ruifica

Autor

Vieira aceitou a fama de ver mais à frente. O problema é que, na actual conjuntura, vê vários adversários à frente. Uma situação que não colhe junto dos simpatizantes do Benfica. Esses querem vitórias

Os episódios mais recentes da vida do Sport Lisboa e Benfica (SLB) devem ser vistos à luz de uma alcunha e de um apelido. As figuras do presidente e do treinador no centro do relvado. Por uma questão de hierarquia comecemos pelo presidente.

À primeira vista, a alcunha de infância – o Ventoinha – parecia premonitória de agitação permanente. Como decorre do senso comum, a ventoinha é uma espécie de catavento. Não para de rodar. Só que, como Adriano Moreira ensina em relação à política, o eixo acompanha o movimento da roda, mas não gira.

Ora, a ventoinha também dispõe de um mecanismo semelhante. É possível mantê-la na posição escolhida. Continua a fazer vento, mas sempre na mesma direção. Foi o que aconteceu depois de, inicialmente, o ventoinha ter soprado para todos os lados. A única estratégia passível de secar o pântano de descrédito em que o SLB estava enterrado.

Passemos agora para o treinador. O apelido era apelativo. Vitória não é apenas o nome da águia que sabe poisar no emblema em dia de jogo. Lembra um passado de conquistas. Uma cultura de vencer que paralisava os adversários quando entravam no Estádio do Glorioso.

Verdade que o treinador ainda não tinha justificado plenamente o apelido quando o presidente o chamou. Houve quem olhasse com desconfiança o movimento do ventoinha. Seria que o parafuso se tinha avariado? A instabilidade surgiu como ameaça.

Porém, o presidente foi lesto na explicação. Estava em causa um novo paradigma. Rui Vitória era o homem certo para rentabilizar a mina de diamantes do Seixal. Jesus só sabia fazer milagres à custa de milhões. Bem vistas as coisas não eram milagres. Os títulos ficavam pela hora da morte.

Os primeiros meses de convívio da alcunha e do apelido não foram fáceis. Por isso, não faltaram mãos interessadas em desenroscar o parafuso da ventoinha. Debalde. Estava teimosamente preso à nova posição. O tempo e as vitórias, mais do que as exibições, fizeram o resto. Jesus passou a fazer parte do passado e não pelos melhores motivos. Os sócios não perdoavam a afronta da mudança para o outro lado da segunda circular.

Entretanto, o peso do Seixal ia crescendo na equipa principal e rendendo aos cofres, ao mesmo tempo que a seleção principal voltava a contar com jogadores benfiquistas. Não constituíam a base como o presidente prometera, mas enfim, sempre era melhor do que no passado recente quando as convocatórias não incluíam qualquer elemento do clube da Luz.

Porém, para desassossego do apelido, a alcunha insistia numa rentabilidade constante. A exigência passou a ser desmedida. A discrepância era inevitável. Prometer títulos, ainda por cima europeus, não era compatível com a venda dos melhores ativos. Daí o fracasso do penta. Por isso a campanha desastrosa na Liga dos Campeões.

Como era de esperar, os sócios despejaram o descontentamento sobre o treinador. Esqueceram-se que não cumpria o apelido porque tinha aceitado ser um funcionário exemplar. Nunca tinha questionado. Tinha gerido, embora com erros táticos, o plantel que lhe tinha sido colocado à disposição. O honesto pai de família aceitava ser o general prussiano de Vieira, embora fazendo questão de trocar o ar rude pela bonomia.

Face ao historial, é provável que não tenha sido a goleada de Munique e os lenços brancos semanais a ditar o afastamento e a posterior readmissão de Rui Vitória. O ventoinha parece estar com saudades da posição anterior. Um regresso dificilmente compatível com a aposta na formação. O passado como exemplo.

Vieira justificou a reversão da decisão com uma luz. Talvez um sinónimo de consciência. A racionalidade a mandar calar a emotividade. Uma exceção no mundo do futebol.

O presidente aceitou a fama de ver mais à frente. O problema é que, na conjuntura presente, vê vários adversários à frente. Uma situação que não colhe junto dos simpatizantes do clube da águia. Esses querem vitórias. Conquistadas por Vitória ou qualquer outro treinador. Não querem ouvir falar da situação do clube quando Vieira lá chegou. Querem a bola dentro da baliza dos adversários. De preferência muitas vezes. Sem isso, será esta pressão que vai ditar as mudanças no Sport Seixal e Ruifica.

A relação entre o apelido e a alcunha está refém do desempenho dos artistas. Uns mais do que outros. Penso eu de que.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
279

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Jovens

O Presidente e os Jovens: Ato Um, Quarta Cena

José Pinto

Não parece abusivo dizer que as preocupações do Presidente com a juventude transmitem uma sensação de "déjà vu": os jovens destinatários dos discursos iniciais já fazem parte da atual geração grisalha

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)