Família

Nasceu-me um neto, o primeiro

Autor
  • Rita Fontoura
178

Não é já evidente que os portugueses querem ser pais, constituir e cuidar das suas famílias, mas que lhes falta coragem por sentirem que o seu desejo não é acolhido com políticas adequadas?

O pensamento imediato é de gratidão por ser mãe e assim poder agora ser avó. Ser mãe tem tudo de contraditório. Visto como decisão ou projecto, caracteriza-se pela incerteza e pelo risco: esperamos um filho cheio de saúde, mas pode nascer com problemas por vezes graves, pode-nos faltar dinheiro para o criar, pode o marido vir a abandonar a família, podem os filhos crescer e fazer escolhas que desiludam e certamente vão muitas vezes infernizar-nos a vida, tirar-nos noites de sono, impedir-nos de fazer programas fantásticos, eu sei lá…

No entanto ser mãe é maravilhoso. Eu não conheço uma única mãe que diga que não gosta de ser mãe. É aparentemente misterioso que algo tão complicado seja para nós mulheres tão grande fonte de felicidade.

Estive recentemente na apresentação do estudo levado a cabo pela Fundação Manuel dos Santos sobre as mulheres em Portugal e foi sem qualquer surpresa que vi nas suas conclusões que as mulheres portuguesas querem ser mães, que os filhos são um factor de felicidade e que a conciliação do tempo para o trabalho e para a família é o grande obstáculo para quem quer realizar o desejo de ser mãe.

Graças a Deus a minha filha e o meu genro abriram o coração à vida e contam com as suas forças e a ajuda da família para acolherem este filho e os outros que vierem. Mas quantos casais sentem esta liberdade para decidir ser pais? Quantos podem contar com uma família que os possa ajudar? Quantos desistem perante a adversidade e a incerteza do mundo do trabalho?

O nosso país está a precisar de crianças, de famílias que não sejam apenas procriadoras, mas sim verdadeiros lugares de amor, de acolhimento, de compreensão e de entrega. A disponibilidade para a família requer muito altruísmo, mas também condições de segurança e tranquilidade que permitam que os pais se abram ao desafio da vida e que depois cuidam da sua família com paz de espírito.

Há dinheiro para tanta coisa: aeroporto, web summit, obras de requalificação (em câmaras socialistas), já para não falar no dinheiro que se gasta para facilitar abortos em vez de se investir mais em ajudar as mães a ficarem com os seus filhos.

Não será já tempo de dar prioridade à família? Quantos mais degraus temos que descer na natalidade? Quanto mais temos que crescer em violência? Em desamor? Não é já evidente que os portugueses querem ser pais, constituir e cuidar das suas famílias, mas que lhes falta coragem por sentirem que o seu desejo não é acolhido com políticas adequadas? Que precisamos de um estado amigo que nos ajude nessa tarefa? Precisamos de creches a preços acessíveis, de flexibilidade laboral, de liberdade na escolha do projecto educativo para os nossos filhos, de uma carga fiscal que considere a dimensão da família.

Estou feliz, muito feliz, mas contemplando esta nova família que são a minha filha o meu genro e o meu neto não posso deixar de pensar em todas as mulheres que gostavam de ser mães e não se sentem com condições para isso, em todas as famílias que vivem cansadas e que por isso não crescem em harmonia e acabam desavindas.

Hoje sinto que é meu dever dizer que o estado está a falhar e que pode mudar. A política de apoio à família protege a sociedade, torna sustentável a segurança social, melhora a economia, e como se pode inferir do estudo que referi, aumenta a felicidade!

Mesmo que não me ouçam ou que ouvindo não me liguem, não desisto de dizer:

Queremos um Estado amigo da família!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

A Igreja falhou, falha e falhará

Rita Fontoura
489

Tenho muito tristeza pela responsabilidade que me cabe. Para quem não é crente explico: a desolação que sinto é como se um filho meu tivesse abusado de menores, feito o que se diz dos padres acusados.

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
1.528

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Caso Vistos Gold

Um voto para 2019

Rita Fontoura
141

No nosso País um canalha cuja intenção não se possa provar é uma vítima do Ministério Público e do julgamento público e, coitado, deixa de poder fazer canalhices no lugar que ocupava

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)