Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A imaginação de George Orwell criou o “Big Brother”, a entidade que controlava, sem piedade, nem descanso, a vida de toda a gente. Mas nem o autor de “1984” conseguiu antecipar uma situação como aquela que nasceu com a era digital, sobretudo após o aparecimento das redes sociais.

A informação que permite a terceiros espiolhar o que fazemos, onde estamos e a que hora, com quem interagimos e que produtos e serviços preferimos consumir, é fornecida de forma voluntária e dispensa qualquer coacção com a finalidade de ser extorquida. É o Mundo perfeito para quem pretenda satisfazer o sonho de controlar, literalmente, tudo que o que se passa em seu redor.

Empresas como as que são responsáveis pelo Facebook ou pelo Google não têm o objectivo, pelo menos confessado, de erguer uma qualquer ditadura assente numa repressão feroz e implacável como aquela que Orwell descreveu. Todos os pedaços de informação a que conseguem deitar a mão são o alicerce de um negócio que gera rendibilidades de fazer inveja, a contrapartida lucrativa pelo fornecimento de dados que permitem a quem faz publicidade dar tiros certeiros nos alvos que pretende atingir.

O modelo tem um pequeno senão. Despejada sobre as mãos erradas, a informação transforma-se numa ameaça sinistra ao funcionamento transparente e saudável de um regime democrático, como sucedeu durante a campanha eleitoral de 2016 nos Estados Unidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A empresa co-fundada por Mark Zuckerberg, que agora está no centro do preocupante caso da cedência de informação sobre 50 milhões de contas do Facebook, registou um crescimento dos lucros superior a 50% em 2017, cerca de 13 mil milhões de euros. Para que se tenha uma ideia, é um valor que supera o dinheiro que o Estado português prevê gastar em saúde durante os 12 meses de 2018. Em conjunto com a Google, a empresa de Zuckerberg domina 20% do mercado global de publicidade, o que ilustra o poder que ambas alcançaram no curto período de tempo que decorreu desde o seu nascimento, quando não passavam de mais duas “startups” a tentar sobreviver num ambiente de competição intensa.

Quando estão em causa gigantes com esta dimensão, a tentação imediata é a de criticar, condenar e começar a afiar as lâminas da proibição. Há muitos aspectos em que o comportamento de quem gere o Facebook tem de melhorar de forma drástica. Por exemplo, pode começar-se pela exigência de um escrutínio mais criterioso sobre quem são e o que fazem as entidades a quem a empresa abre as vastas bases de dados relativas a milhões de cidadãos de todo o Mundo. Ou tornar mais claras e acessíveis as regras de privacidade que os utilizadores podem activar, matéria talhada para baralhar os espíritos mais lúcidos e originar decisões erradas, ainda que quem arranje paciência para as ler de fio a pavio seja um perito na gíria jurídica que regula estas questões.

Mas tudo isto jamais terá qualquer possibilidade de ser suficiente se outros tantos milhões de utilizadores, por ignorância, ausência de algum vestígio de capacidade crítica ou simples má fé, estiverem disponíveis para serem manipulados e, pior, ajudar a manipular. Já não se trata de constatar, como sucedeu nos primórdios das redes sociais, que partilhar uma informação em meios como o Facebook é a mesmíssima coisa que pegar num megafone e ir para a rua anunciar, a quem queira ouvir, aquilo que se almoçou ou onde se passou o cobiçado fim-de-semana. Nestes campos, cada um expõe aquilo que quer e sujeita-se aos abusos.

Em temas menos frívolos, como sucede quando o assunto são decisões, actos, declarações ou opiniões políticas, uma curta visita ao Facebook permite perceber que milhares de utilizadores estão entrincheirados, agrupados em tribos, apenas lêem aquilo que lhes parece ser favorável às suas preferências, consomem e partilham “notícias falsas” e comentam, com agressividade, insultos e a ausência de argumentação que costuma andar de mão dada com a indigência intelectual, tudo o que lhes soe, mesmo que apenas vagamente, como uma posição contrária às suas crenças.

Neste ambiente irrespirável, não admira que empresas desprovidas de quaisquer escrúpulos, especializadas em manipulação e truques baixos, como a Cambridge Analytica, explorem um terreno que tem as condições ideais para espalhar brasas e provocar os incêndios que consomem as democracias.

A culpa é das redes sociais? Não parece. Para além das óbvias responsabilidades nas decisões que toma sobre o arsenal de informação de que é detentor, o Facebook limita-se a colocar à vista a grave doença do radicalismo e do populismo que contraria quem alguma vez se tenha atrevido a acreditar que as democracias liberais, tal como foram construídas no Ocidente, eram edifícios sólidos e indestrutíveis. A má notícia é que podem ser valiosas como um diamante que custou a descobrir e a lapidar, mas nada garante que serão eternas.

Nem de propósito, um relatório da Fundação Bertelsmann acaba de constatar que nunca, nos 12 últimos anos, uma fatia tão grande da população mundial viveu sob regimes autocráticos como sucede agora. E, no interior da União Europeia, fenómenos como o Brexit, a ascensão do extremismo e do populismo em actos eleitorais recentes e os golpes no Estado de Direito em países como a Polónia demonstram que não existe qualquer muralha inexpugnável, nem esta teria qualquer efeito quando o mal cresce no interior das respectivas fronteiras.

Mark Zuckerberg e os restantes “tycoons” das redes sociais podem ser interrogados no Parlamento Europeu e as empresas que dirigem ser alvo de um cerco regulatório, tarefas que deixarão políticos e eurocratas de consciência tranquila. Estarão a atacar o tumor com analgésicos.