Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi importante, ocupou cargos relevantes, teve direito a primeiras páginas, ou mesmo segundas, entrevistas na televisão, carro com motorista, passadeira vermelha, holofotes, prebendas várias, tudo isso ou só parte disso.

É em geral mais velho, mas também pode ser jovem, foi político, empresário, CEO, artista, desportista, dirigente associativo, ou outra coisa qualquer que lhe tenha dado palco.

Aplica-se ao “has been” o prefixo ex: ex-ministro, ex-campeão, ex-director-geral, ex-chefe, ex-jornalista, ex-isto e ex-aquilo (pode também usar-se o adjectivo “antigo”, como em antigo Embaixador ou antigo Chefe do Estado Maior, mas é menos simpático).

Foi útil ao país, à sua empresa, à empresa de outros, ou nem por isso, criou Fundações e dessarte se fez perene (talvez eterno), nesse caso poucos de nós o podem imitar, ou talvez tenha tido apenas os seus 15’, comprazendo-se no espelho da sua própria e fátua notoriedade, recusando-se a cair no esquecimento.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.