Ainda se lembram quando o CHEGA teve que fazer noitada para saber se André Ventura era eleito deputado? Foi nas eleições legislativas de 2019, com 1,3%, 66.442 votos. Nessa altura, Ventura prometia ser o maior partido em oito anos – ainda faltam três. Se os partidos do regime continuarem a distrair-se com raminhos de coentros ou de hortelã, talvez a profecia se concretize.

As eleições nos Açores vieram mostrar que a impulsividade é má conselheira da prudência, não ilumina o caminho que é, simultaneamente, feito de experiência e bom senso. Em política nem tudo é tática, simulação ou jogada de corpo. Mas há quem se confunda ao não distinguir com clarividência os dois conceitos. Se a ideia é obrigar o PSD a procurar conforto nos deputados do CHEGA para sustentar o governo da AD, receio que o PS Açores se deixe seduzir pelo impulso e siga o pensamento de Pedro Nuno Santos, ao recusar um governo minoritário da AD nas eleições de 10 de março. Se o PS Açores o fizer, corre o risco de votar ao lado do CHEGA para inviabilizar o governo de Bolieiro – seria um paradoxo inadmissível.

No passado, uma maioria negativa – do BLOCO ao CDS –, derrubou um governo do PS, cada um com os seus argumentos. Agora o CHEGA é quem mais engorda com as crises políticas. A miopia dos que sacrificam a defesa do regime ao tacticismo partidário potenciará a gritaria antissistema convertendo-se numa mancha populista com grande expressão parlamentar. Se continuarem a alimentar a cobra com “leite açoriano”, ela crescerá o suficiente, como tem acontecido, e não terá pudor em ficar obeso à custa do PS e PSD. O seu objetivo é subir a escada do sistema, que diz combater, e instalar-se nos palácios. Ventura apressou-se a dizer que já estavam a trabalhar para encontrarem uma solução governativa para quatro anos, nos Açores, como se tivesse ganho as eleições – passou de dois para cinco deputados.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.