Brexit

O Reino Unido está mais próximo do segundo referendo /premium

Autor

Se os Comuns chumbarem o acordo de May, o Reino Unido tem duas soluções: Brexit sem acordo, ou segundo referendo. Perante essa escolha, a maioria dos deputados votará a favor de um novo referendo.

Após uma semana de grandes confusões, só mudou uma coisa: o Reino Unido está mais próximo de um segundo referendo. Os britânicos têm três opções: continuar na União Europeia, sair sem um acordo, ou aceitar uma terceira via, o acordo de Theresa May. Os detalhes aqui são irrelevantes. O ponto central da terceira via é que o Reino Unido não abandona completamente a União nem fica como um membro pleno. Passa a aplicar legislação europeia sem a votar (‘a rule taker, not a rule maker”).

A saída da União sem acordo (no-deal Brexit) está quase posta de lado. Há uma grande maioria nos Comuns contra essa opção e se até 21 de Janeiro, os deputados não aprovarem o resultado da negociação entre May e a UE, o parlamento deverá votar uma moção a impedir a saída sem acordo. Além disso, o governo britânico também é contra, preferindo, em último caso, adiar o Brexit a um não-acordo.

May continuará a tentar construir uma maioria nos Comuns para votar a favor do seu acordo. Deverá marcar a votação parlamentar antes de 21 de Janeiro, a não ser que esteja muito longe da maioria e desista de um voto parlamentar (como aconteceu no passado dia 10 de Dezembro). A União Europeia poderá mesmo organizar um Conselho Europeu especial na primeira quinzena de Janeiro para ajudar a PM britânica a ganhar a votação parlamentar. Os líderes europeus, contudo, não vão oferecer muito. Já disseram que não mudam o acordo de saída, um documento jurídico, aceitando apenas alterar a declaração política sobre o futuro das relações entre a União Europeia e o Reino Unido.

Há duas razões que explicam a resistência dos governos europeus. Em primeiro lugar, perderam confiança na capacidade de May de impor ao seu partido o resultado das negociações com Bruxelas. Numa negociação bilateral, não há nada pior do que perder a confiança em quem se senta do outro lado da mesa. Em segundo lugar, os líderes europeus já perceberam que o segundo referendo está mais próximo. A grande maioria dos Estados membros deseja que o Reino Unido continue na União, e um segundo referendo mantém essa esperança viva. Por isso, não têm grandes incentivos para alterar o acordo feito com May.

A capacidade de May de construir uma maioria parlamentar para votar o seu acordo é a questão central até 21 de Janeiro. Se tiver sucesso, o Reino Unido abandonará a UE no dia 29 de Março, com um acordo e com um período de transição até 31 de Dezembro de 2020. Mas se May perder o voto nos Comuns, a solução mais provável, a partir desse momento, será a marcação de um segundo referendo. Se não houver uma maioria parlamentar a favor de uma solução, será necessário perguntar de novo ao povo. Será esse o resultado da rejeição do acordo de Theresa May.

Neste momento, os partidos das oposições querem um segundo referendo, porque recusam o acordo de May. No maior partido da oposição, o partido Trabalhista, o líder, Jeremy Corbyn, é neste momento o travão a um segundo referendo. É contra a manutenção do Reino Unido na União e não tem vontade de fazer mais uma campanha sobre a Europa.

O partido Conservador está dividido em relação a um segundo referendo (como está dividido em relação a todas as questões europeias). No entanto, gradualmente, aumenta o número de deputados conservadores a aceitar a necessidade de um segundo referendo. Os “remainers” porque acham que o acordo de May é bem pior do que continuar como membro da UE. Mas mesmo entre os “Brexiteers”, sobretudo os mais radicais, começam a surgir vozes a reconhecer que será necessário um segundo referendo para derrotar a terceira via e alcançar uma saída sem qualquer acordo.

No dia 21 de Janeiro, se os Comuns chumbarem o acordo de May, o Reino Unido tem duas soluções: Brexit sem acordo, ou segundo referendo. Perante essa escolha, a maioria dos deputados votará a favor de um novo referendo. A escolha das perguntas a referendar não será óbvia. Poderá ser um referendo com duas questões. A primeira será a mesma do último referendo, in ou out. A segunda será no caso de um Brexit, sair sem acordo ou com o acordo alcançado por Theresa May. Neste cenário, até May poderá mudar de opinião e defender um segundo referendo. Seria a hipótese de os eleitores britânicos validarem o que os deputados recusaram, o seu acordo com Bruxelas.

Depois da análise, uma opinião rápida. A acontecer, um segundo referendo será o resultado de um impasse político. Mas há um risco muito claro: uma divisão ainda maior da sociedade britânica e dos seus principais partidos. Além disso, se o resultado for diferente do primeiro referendo, qual deles será mais legítimo? Não se corrige um erro com um segundo erro igual. Mas a política britânica chegou a uma situação onde as boas escolhas deixaram de existir.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
290

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Extremismo

Desesperadamente à procura de fascistas /premium

João Marques de Almeida
1.976

É muito fácil atacar o Mário Machado. E muito mais difícil deixar de partilhar camarotes com os protectores dos “Mários Machados” que pululam nos Diabos Vermelhos, na Juve Leo e nos Super Dragões.

Brexit

Nem vai nem racha /premium

Diana Soller

Ainda que o centro político possa ser maioritário, tem que enfrentar três problemas fundamentais: a competição política, a falta de convicção numa solução negociada e a fragilidade de Theresa May.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)