Rádio Observador

Eleições Europeias

O vazio que alimenta o PAN /premium

Autor
  • Miguel Pinheiro
755

Os 5,1% que o PAN teve este domingo nas eleições europeias são um aviso. E um aviso sério. Os partidos do sistema estão a ignorar um dos temas que mais preocupa os eleitores jovens: o ambiente.

O PAN é um partido que anda entre a anedota e o perigo. Um exemplo: numa entrevista, o seu líder André Silva afirmou, sem uma hesitação ou um estremecimento, que “há características mais humanas num chimpanzé ou num cão do que numa pessoa em coma” — o que não mostra o respeito que tem pelos animais, mas mostra, de forma evidente e involuntária, o desrespeito que tem pelas pessoas. Outro exemplo: numa sessão solene de comemoração do 25 de Abril no Parlamento, o mesmo André Silva usou o Butão como exemplo de uma democracia invejável que valoriza os níveis de bem-estar mental, emocional e físico das populações — mas esqueceu-se de explicar que o país tem uma minoria étnica violentamente perseguida e que os estrangeiros não têm direito à educação, entre muitas outras excentricidades pouco democráticas.

Se o PAN é uma anedota e um perigo, como inegavelmente é, os 5,1% que o partido teve este domingo nas eleições europeias são um aviso. E um aviso sério. Os partidos do sistema estão a ignorar um dos temas que mais preocupa os eleitores jovens: o ambiente.

É um problema antigo. Antes do PAN, o bloqueio ecológico em Portugal chamava-se, pomposamente, Partido Ecologista “Os Verdes”. Na realidade, não é um partido — é uma ficção inventada pelo PCP, que quis dominar o movimento ambientalista para evitar uma competição à esquerda. Basta este detalhe: desde que foi criado, em 1982, o Partido Ecologista “Os Verdes” nunca concorreu a eleições sozinho; concorreu sempre em coligação com o PCP. Usando esta sua velha táctica de telecomandar movimentos potencialmente ameaçadores, os comunistas secaram durante décadas qualquer forma organizada de promoção ambiental.

Com a esquerda controlada pelo PCP, sobraria a direita como terreno possível para um pensamento sensato sobre ecologia. No começo da democracia, a direita conservadora tinha um discurso ambiental estruturado e tinha uma figura de referência, Gonçalo Ribeiro Telles. O fundador do PPM e depois do Movimento Partido da Terra foi subsecretário de Estado do Ambiente em três governos provisórios e no primeiro governo socialista. No início dos anos 80, foi Ministro de Estado e da Qualidade de Vida no governo da AD liderado por Balsemão. Tem no currículo a criação da Reserva Agrícola Nacional, da Reserva Ecológica Nacional e dos Planos Regionais de Ordenamento do Território — além de muito, muito trabalho como arquiteto paisagista e divulgador de temas ambientais. Quando Gonçalo Ribeiro Telles fez 95 anos, Vasco Rosa lembrou no Observador a sua “frontal denúncia dos empórios do betão, da celulose e da energia”.

Mas, a pouco e pouco, o conservadorismo verde foi substituído pelo vácuo. O PSD chegou a cultivar a efervescência ecológica de Carlos Pimenta, mas depois exportou-o para Bruxelas. E, no CDS, Luís Nobre Guedes defendeu há uns anos que o ambiente era o lugar natural da direita, mas não deixou eco nem consistência (de tal forma que, quando foi ministra, Assunção Cristas tratou o ambiente como um dispensável apêndice da agricultura).

Estamos, portanto, assim: com a esquerda armadilhada e a direita desistente, o único partido que fala sobre o tema que mais preocupa os novos eleitores é o PAN. Isto quer dizer que não há um contraponto racional ao extremismo fantasista que trata a ecologia como uma religião laica. Se os partidos do sistema não querem perder uma geração inteira de eleitores, têm que ser rápidos a arranjar um discurso, uma atitude e um foco. O vazio não está a dar bons resultados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)