Rádio Observador

10 de junho

Português, com muita honra e orgulho

Autor

A nacionalidade representa muito mais do que o direito a um cartão de cidadão. A Nação é a comunidade de afetos de que falava Malraux. O eu coletivo que exulta com o sucesso próprio.

A 10 de Junho de 2019 celebrou-se o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Uma data marcada por discursos que, como decorre da lei da vida, o tempo não tardará a varrer para o esquecimento. Por mais elogiados ou criticados que sejam no curto prazo. A regra convive sempre mal com a exceção.

Como o espaço para a novidade não foi grande, mesmo quando, à primeira vista, não deu essa sensação, não me debruçarei sobre os discursos oficiais. Porém, já não poderei deixar passar em claro um tweet da líder bloquista. Afinal, a moda criada por Trump também já faz escola por terras lusas.

Ora, foi precisamente sobre a gesta lusa – a expansão – que a líder do Bloco de Esquerda decidiu pronunciar-se. Na ausência de palco oficial, a rede serviu para transmitir a ideia sobre qual deveria ter sido o conteúdo dos discursos. Deveriam, na ótica bloquista, ter servido para “reconhecer a enorme violência da expansão portuguesa, a nossa história esclavagista, a responsabilidade no tráfico transatlântico de escravos”.

Um discurso que me recuso a adjetivar. Limitar-me-ei a dizer que não é habitual que um partido pouco virado para a religião venha exigir aos portugueses – pela boca dos seus principais representantes – a confissão pública dos pecados e, logicamente, a autoflagelação como penitência.

Enquanto português que se recusa a olhar para a História de séculos passados com os olhos do século XXI, fiquei incomodado, apesar de saber que nenhum povo recebe a História a benefício de inventário. Por isso, no que à expansão diz respeito, a melhor imagem para a avaliar talvez passe por lembrar que quando a nau Santa Catarina aportou junto a Cascais trazia a bordo Camões e Diogo do Couto. O primeiro, enquanto cantor do ativo. O segundo, na qualidade de denunciante do passivo. Basta ler Os Lusíadas e o Soldado Prático.

Uma forma de dizer que, na História, há que assumir o passivo, mas sem enjeitar o ativo. Algo que, no que concerne ao segundo elemento, não colhe junto da líder bloquista. Fundamental, na visão de um partido populista antissistema é dar tempo de antena ao passivo.

Reduzir a responsabilidade portuguesa naquela que é reconhecida, por conceituados historiadores estrangeiros, como a primeira globalização, à participação no tráfico esclavagista é claramente redutor. Que seja alguém nascido em Portugal a fazê-lo só aumenta a dimensão do desastre, sem que o nacionalismo exacerbado ou narcisista seja para aqui chamado.

Verdade que ninguém escolhe o local onde nasce. Por isso, Dom Manuel Clemente fala da terra que nos calhou ou onde encalhámos. Só que, como ensina Adriano Moreira, a decisão de ficar é responsabilidade própria. A nacionalidade representa muito mais do que o direito a um bilhete de identidade ou cartão de cidadão. A Nação é a comunidade de afetos de que falava Malraux. O eu coletivo que exulta com o sucesso próprio – veja-se a forma como são celebradas as vitórias da seleção de futebol – e que sofre quando as suas vozes encantatórias se cansam da existência terrena.

Uma Nação que há muitos séculos aprendeu a ser peregrina. Primeiro, em terra a que chamou sua. Depois, em terra alheia. Daí a dimensão da diáspora portuguesa.

Por isso, no que concerne ao 10 de Junho, sou tentado a vê-lo como o Dia de Portugal, das Comunidades Portuguesas e de Camões. Porque o coletivo, tal como o ativo da expansão, tem primazia. Não é por acaso que «povo» é um nome ou substantivo coletivo.

É a esse Povo – e ao seu ativo e passivo – que tenho a honra e o orgulho de pertencer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

O Presidente e os Jovens: Ato Um, Quarta Cena

José Pinto

Não parece abusivo dizer que as preocupações do Presidente com a juventude transmitem uma sensação de "déjà vu": os jovens destinatários dos discursos iniciais já fazem parte da atual geração grisalha

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
616

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.256

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)