Rádio Observador

Sustentabilidade

Quem é melhor: o BB King ou o Eric Clapton?

Autor
  • António Cláudio Heitor

Hoje a gestão cinegética, muitas vezes complementando práticas agro-pecuárias, contribui para a coesão territorial e social de muitas das zonas mais fragilizadas pelo abandono e despovoamento.

Todos os que gostam de música, em especial de Blues, possivelmente já se confrontaram (ou foram confrontados) com este dilema … quem é melhor, o BB King ou o Eric Clapton? Na verdade, é uma pergunta descabida pois não se podem comparar dois nomes que ficarão marcados na história da música.

O mesmo despropósito deve ser aplicado à relação de importância entre a Agricultura (entendida como o conjunto de actividades rurais) e a conservação de recursos naturais. De uma forma geral podemos afirmar que nem os recursos naturais que temos hoje existiriam sem a actividade agro-silvo-pastoril, nem os sistemas agrícolas e florestais que temos hoje existiriam sem os recursos naturais que dispomos.

Por outras palavras, a actividade humana moldou e foi moldada pelos recursos disponíveis e as paisagens rurais que temos hoje são o resultado dessa convivência.

Esta complementaridade tem vindo a ser esquecida, com claro pendente desfavorável para as questões rurais. Em fases de mudanças de ciclo político nunca é demais lembrar a importância das actividades agropecuárias enquanto pilar da coesão social e territorial.

Contudo, e como seria de esperar, os impactos resultantes da actividade humana nem sempre foram positivos e potenciadores desses mesmo recursos. Foi por isso necessário adaptar essas técnicas às novas condições do meio e às novas exigências da sociedade. Essa adaptação é hoje fundamental para fazer frente ao Mundo Global e aos desafios resultantes de mudanças e alterações das condicionantes físicas, biológicas, climatéricas e de mercado.

A natureza agreste dos recursos das nossas serranias do Norte e Centro, obrigou o Homem a enveredar por práticas de pastoreio extensivas que criaram um mosaico de vegetação que permitiu a permanência de espécies como o lobo, veados e um conjunto diverso de passeriformes. Foi por entre esses recursos que as nossas raças autóctones se desenvolveram e que as nossas tradições se desenvolveram e enraizaram.

Também o mosaico agrícola de pomares, vinhas, hortícolas e pequenos bosquetes, suporta um conjunto variado de espécies de aves, como as alvéolas, chapins e verdelhões, bem como um leque de insectos polinizadores sem os quais essas culturas não existiriam. Este é um excelente exemplo que demonstra a forma como as relações milenares entre a agricultura e a fauna resultaram num benefício “comum” que devemos manter e melhorar.

Foi a utilização de rotações de cereal/pousio que, encontrando a melhor forma de aproveitar solos com menor capacidade produtiva, possibilitou que espécies como a abetarda e o sisão pudessem coexistir com comunidades agrícolas. Ao mesmo tempo, as parcelas em pousio, usadas para pastagem, permitiam uma exploração extensiva da pastagem, criando um mosaico de parcelas agrícolas e florestais capaz de suportar predadores e presas, águias, lebres, perdizes e abutres.

Estes predadores de topo como a águia-imperial e o lince, bem como os abutres, mantêm o equilíbrio destes ecossistemas, contribuindo desta forma para a manutenção das actividades rurais que estão na base desses ecossistemas. Hoje a gestão cinegética, muitas vezes complementando práticas agro-pecuárias, contribui para a coesão territorial e social de muitas das zonas mais fragilizadas pelo abandono e despovoamento.

Mesmo junto às grandes cidades, os nossos estuários são hoje o exemplo desse complemento, pois os arrozais desempenham um papel fundamental no ciclo diário da vida de patos, maçaricos, íbis, colhereiros e pilritos.

É esta paisagem diversa em termos de recursos e de tradições que constitui a nossa principal bandeira e o mais valioso recurso: os nossos saberes e sabores.

Ou seja, sempre que comemos uma sopa de legumes, um bife, cabrito ou borrego assado, acompanhado por batatas e castanhas, uma perdiz ou um coelho no forno, enquanto saboreamos um bom vinho ou um sumo de laranja e terminamos a refeição com uma maçã assada ou uma pera bêbeda, não nos podemos esquecer do lobo, das águias, do lince, do abutre-preto, dos chapins, dos trigueirões e das abelhas que nos possibilitaram o repasto.

Mas em paralelo sempre que formos passear para o Douro, sempre que subirmos aos 2.000m da Serra, quando formos apreciar os moinhos do Oeste, quando ouvimos o cantar das gentes do Alentejo ou quando saboreamos os doces Algarvios, lembremo-nos de todos aqueles que diariamente tornam esses sentimentos possíveis, os agricultores, proprietários florestais e gestores cinegéticos, responsáveis pela manutenção das actividades que suportam a nossa paisagem rural.

Cabe-nos a nós enquanto consumidores fazer as escolhas que potenciem esta complementaridade, privilegiando a produção nacional, não só pela sua qualidade e segurança, mas também pelo seu papel enquanto gestores de paisagem e de recursos.

Cabe-nos a nós enquanto decisores defender o Mundo Rural e os Recursos Naturais em paralelo, promovendo regulamentação clara, eficiente e simples. Cabe a todos evitar a escolha descabida entre o BB King e o Eric Clapton.

Técnico Florestal da CONFAGRI

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor
559

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)