Educação

Uma STEM por dia, nem sabe o bem que lhe fazia /premium

Autor
  • Teresa Espassandim

Pais de estudantes imberbes aplacam os seus medos gigantes acerca do futuro incerto dos seus filhos com uma galvanização cristalizada na escolha vocacional pela área das Ciências e Tecnologias.

Ahhh… admirável mundo novo! Desengane-se quem pensa que o discurso em torno da tecnologia e seus maravilhosos poderes na transformação das sociedades ficaria pelas páginas do romance de Aldous Huxley de 1932 ou por entre as comunidades de aficcionados empreendedores ou entusiastas da Web Summit ou assíduos de LAN Parties. Tenho observado a crescente e incessante ode às STEM (termo que agrupa as disciplinas académicas da Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) nos discursos em torno das políticas educativas e das opções curriculares como estratégia vital para a competitividade e para o desenvolvimento.

A um ritmo ainda mais acelerado, mas desprovido de sentido crítico, ouço de Norte a Sul do país, pais de estudantes imberbes aplacarem os seus medos gigantes acerca do futuro incerto dos seus filhos com uma galvanização cristalizada na escolha vocacional pela área das Ciências e Tecnologias. Ainda na semana passada, um antigo colega de trabalho me dizia acerca da filha que está a frequentar o 9.º ano: “Ai a Joana é assim toda criativa, continua a adorar desenhar e tem imenso jeito…” Perguntei com naturalidade se ela estaria a pensar seguir Artes, ao que me responde prontamente “Nãaao, achaas que eu a deixava escolher Artes? Ela vai é para Ciências!”. Concluí, com pesar, que o percurso da Joana pelo menos no que ao nível do Secundário diz respeito, está traçado e condicionado pela amplitude dos estereótipos daquele pai.

É que a preocupação com o porvir de quem depende de nós, é denominador comum a todas as mães e pais mas o cerrar irracionalmente fileiras às várias possibilidades na vã tentativa de proteger os filhos, não é política muito eficaz… STEM é cool, é IN, dá emprego, paga bem… faz-me lembrar aquele anúncio publicitário de 1986 da Robbialac. Podíamos até facilmente adaptar: “S-T-EM é uma grande escolha, S-T-EM é o futuro de sucesso. Toda a gente escolhe S-T-EM, S-T-EM é o futuro de sucesso”. Nem sei por que continuam a existir outras opções nos percursos formativos do ensino secundário e do ensino superior se, claramente, a escolha certa é ciência, tecnologia, engenharia ou matemática. Daahhh!!!

Não, nada disto é verdade. Só parece. A explicação da sobrevalorização destas áreas científicas combina um conjunto de variáveis tais como o estatuto social percebido das pessoas destes domínios do saber, a grande procura do mercado de trabalho por profissionais destes sectores, as formas mais visíveis, e por isso mais facilmente identificáveis, de oportunidades de trabalho, as médias progressivamente mais altas de acesso a cursos de ensino superior STEM, o enorme investimento feito em branding, academias de trainees e recrutamento pelas empresas tecnológicas, o discurso de oposição entre as ciências naturais e as ciências humanas e sociais, como se a ciência não fosse toda ela provisória, os discursos sexy e facilitistas de lógicas instrumentais de reintegração profissional através de cursos de reconversão estritamente orientados para a programação…

Compreendo que as pressões das dinâmicas da economia relativamente à necessidade de emprego conduzam as pessoas por processos menos reflectidos e mais imediatistas de ocupação profissional, com menos espaço para se questionarem e desenvolverem, e assim construírem um projecto de vida equilibrado e alinhado com os valores e necessidades pessoais. A par de tudo isto, experiencio uma reduzida disponibilidade das famílias, dos agentes das comunidades escolares, dos media e dos influenciadores para ajudarem a desconstruir mitos associados às escolhas vocacionais e ao universo do trabalho, para criarem espaços intencionais de exploração e reflexão slow possibilitadoras de algumas âncoras neste mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo). Tanta conversa acerca das competências-chave do futuro e continua-se a promover o afunilamento…

Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
887

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo
119

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Educação

Inteligência Emocional, Mindfulness e Educação

Mafalda G. Moutinho
644

Regiões como o Reino Unido, Malta e as Canárias já têm como disciplina obrigatória a educação emocional que fornece aos alunos ferramentas para gerir conflitos, adversidades e situações inesperadas.

Escolas

Como travar o Processo de Elitização em Curso?

Rodrigo Queiroz e Melo
119

O atual sistema prejudica fortemente e condiciona a mobilidade socioeconómica. A maior das ironias é que tenha sido a atual solução governativa a causadora de tamanha desigualdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)