Logo Observador
Orçamento do Estado

Imposto do Selo. Pagamentos com cartões tributados a 4%

258

O imposto vai passar a incidir sobre as operações de pagamentos com cartões. O crédito ao consumo vai pagar mais.

Rodrigo Baptista/LUSA

Operações de pagamentos com cartões vão pagar taxa

O Governo pretende sujeitar a imposto do selo à taxa de 4% as comissões cobradas pela banca nas operações de pagamento com cartões.

Desincentivo ao crédito ao consumo

Prevê-se o agravamento em 50% das taxas de imposto do selo aplicáveis às operações de crédito ao consumo, independentemente do prazo de concessão do crédito. Considerando, por exemplo, um crédito de prazo igual ou superior a um ano, a taxa de imposto do selo subirá de 0,090% para 0,135%.

Este agravamento vai aplicar-se aos factos tributários ocorridos até 31 de dezembro de 2018.

Regras mais claras nos arrendamentos

Introduzem-se algumas regras clarificadoras quanto ao sujeito passivo do imposto nos casos de arrendamento e subarrendamento:

  • No caso de pluralidades de locadores ou sublocadores, o sujeito passivo será aquele que procede à comunicação do contrato de arrendamento ou o primeiro locador ou sublocador identificado na referida declaração nos casos em que esta é apresentada por terceiro autorizado;
  • Nas situações em que o prédio arrendado ou subarrendado pertence a herança indivisa o sujeito passivo é a herança indivisa representada pelo cabeça de casal;
  • Quando o bem arrendado é uma parte comum de prédio constituído em propriedade horizontal o sujeito passivo é o condomínio representado pelo administrador.

Isenções limitadas nos suprimentos de sócios

Propõe-se a limitação da isenção de imposto do selo aos suprimentos de sócios com participação social direta mínima de 10% que tenha sido detida durante um ano consecutivo ou desde a constituição da entidade participada desde que venha a ser detida durante esse período.

É incorporada no Código a isenção relativa à constituição de garantias a favor do Estado ou das instituições de segurança social no âmbito dos planos de pagamentos em prestações que tem vindo a ser anualmente renovada na Lei do Orçamento de Estado.

Isabel Silva, Bruno Chotas e Catarina Nunes

Equipa Tax da Conceito

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

A vida para além do défice

Helena Garrido
181

Mário Centeno é o único ministro que pode ir de férias convencido que cumpriu a sua missão. O terrível mês de Julho impediu o Governo de festejar a vitória na economia mas fez história.

Orçamento do Estado

Cativações: pecado e redenção

Joana Vicente

O recurso sistemático às cativações tem funcionado como uma ferramenta de não-gestão orçamental. O atual Governo, a bem dos objetivos orçamentais, tem sido o maior pecador cativador. 

Governo

A política do caminho caminhando

Helena Garrido
724

As políticas públicas têm hoje a marca do caso a caso, sem estratégia, só com táctica. A forma como se reduziu o défice é um bom exemplo. Irónico até, por parecer confirmar a austeridade expansionista

Orçamento do Estado

A vida para além do défice é o SIRESP

Luís Aguiar-Conraria
839

Nas PPP à portuguesa, o Estado, em vez de levar para a mesa das negociações a sua capacidade de financiamento a baixo custo, leva a sua incapacidade, ficando refém do financiamento do parceiro privado