Orçamento do Estado

Imposto do Selo. Pagamentos com cartões tributados a 4%

258

O imposto vai passar a incidir sobre as operações de pagamentos com cartões. O crédito ao consumo vai pagar mais.

Rodrigo Baptista/LUSA

Operações de pagamentos com cartões vão pagar taxa

O Governo pretende sujeitar a imposto do selo à taxa de 4% as comissões cobradas pela banca nas operações de pagamento com cartões.

Desincentivo ao crédito ao consumo

Prevê-se o agravamento em 50% das taxas de imposto do selo aplicáveis às operações de crédito ao consumo, independentemente do prazo de concessão do crédito. Considerando, por exemplo, um crédito de prazo igual ou superior a um ano, a taxa de imposto do selo subirá de 0,090% para 0,135%.

Este agravamento vai aplicar-se aos factos tributários ocorridos até 31 de dezembro de 2018.

Regras mais claras nos arrendamentos

Introduzem-se algumas regras clarificadoras quanto ao sujeito passivo do imposto nos casos de arrendamento e subarrendamento:

  • No caso de pluralidades de locadores ou sublocadores, o sujeito passivo será aquele que procede à comunicação do contrato de arrendamento ou o primeiro locador ou sublocador identificado na referida declaração nos casos em que esta é apresentada por terceiro autorizado;
  • Nas situações em que o prédio arrendado ou subarrendado pertence a herança indivisa o sujeito passivo é a herança indivisa representada pelo cabeça de casal;
  • Quando o bem arrendado é uma parte comum de prédio constituído em propriedade horizontal o sujeito passivo é o condomínio representado pelo administrador.

Isenções limitadas nos suprimentos de sócios

Propõe-se a limitação da isenção de imposto do selo aos suprimentos de sócios com participação social direta mínima de 10% que tenha sido detida durante um ano consecutivo ou desde a constituição da entidade participada desde que venha a ser detida durante esse período.

É incorporada no Código a isenção relativa à constituição de garantias a favor do Estado ou das instituições de segurança social no âmbito dos planos de pagamentos em prestações que tem vindo a ser anualmente renovada na Lei do Orçamento de Estado.

Isabel Silva, Bruno Chotas e Catarina Nunes

Equipa Tax da Conceito

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Parece que acabou a festa do dinheiro

Manuel Villaverde Cabral
956

O orçamento para 2018 acabou por se transformar num regabofe demagógico de promessas impossíveis de cumprir. As reformas que o país necessitava ter feito ou foram desfeitas ou ficaram pelo caminho.

Saúde da Mulher

Rastreios e outro direito a escolher

Maria João Marques

Concluímos que estas decisões existem para permitir que se gaste mais em salários no SNS. Menor controlo do cancro da mama pela melhor causa: o PS comprar uns tantos votos aos funcionários públicos.

Governo

Vítimas do seu sucesso?

Luís Aguiar-Conraria

Costa não está a ser vítima do seu sucesso: está a ser vítima da hipocrisia do seu discurso. O facto de o Governo não repor as carreiras é a demonstração de que os cortes na despesa foram necessários.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site