Caso BES

Emigrantes lesados vão manifestar-se em Lisboa na sexta-feira

A Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses convocou uma manifestação para sexta-feira, em Lisboa, para mostrar que os emigrantes estão "cansados de promessas".

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os emigrantes vão concentrar-se junto à sede do Novo Banco, às 11:30, na Avenida da Liberdade, e depois vão marchar até ao Banco de Portugal, na Rua do Comércio.

“Não queremos promessas, queremos honra nos compromissos que connosco foram assumidos! Dizemos não à mentira, não à falta de escrúpulos! Chega de sermos enganados! “Promessas leva-as o vento”, ó sábio ditado popular! De facto, andamos cansados de promessas!”, lê-se no comunicado da AMELP.

A associação recorda que os emigrantes lesados não aceitam “uma proposta indecente”, em referência à solução comercial proposta pelo Novo Banco que foi aceite por 6.000 clientes emigrantes, que tinham investido cerca de 500 milhões de euros em produtos de poupança.

“Sim, a nossa luta não começou mais cedo porque educadamente e silenciosamente acreditámos mais uma vez em gestores e funcionários que diziam que em breve nos iria ser devolvido o nosso dinheiro. Pois, mas até aos dias de hoje não nos foi devolvido nem um único tostão! Queremos o nosso dinheiro! Mas não queremos uma proposta ‘indecente’ como aquela que já nos foi apresentada, não a vamos assinar, não a assinaremos! É o nosso dinheiro que queremos e nada abaixo disso”, lê-se no comunicado.

Após a resolução do Banco Espírito Santo (BES), a 04 de agosto de 2014, os emigrantes lesados ascendiam a 8.000, num total de 728 milhões de euros de dinheiro investido.

De acordo com comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) pelo Novo Banco, a 28 de junho, já foi concluída a execução da solução comercial aceite por 6.000 clientes emigrantes que, segundo fonte oficial, abrangeu “aplicações no valor de 500 milhões de euros e prevê recuperar até 90% do capital investido”.

Por resolver continua a situação de todos os clientes emigrantes que não aceitaram a proposta do Novo Banco por considerarem que não era justa e não se adequava ao seu perfil, uma vez que implicava a subscrição de obrigações de longa duração do Novo Banco e em que os depósitos a prazo estarão condicionados ao valor dessas obrigações.

“Não queremos saber se 80% aderiu à proposta. Nós, os 20%, não estamos para ser enganados uma segunda vez e tanto mais não consideramos que aquilo seja uma “solução” como foi apelidada pelo Novo Banco! O vocábulo ‘solução’ significa ‘aquilo que resolve, soluciona (problema, dificuldade etc.)’. Entendemos que tal proposta não foi solução alguma”, continua a AMELP no comunicado.

Na manifestação da próxima sexta-feira, os emigrantes lesados vão ter como palavras de ordem “Não mandar mais dinheiro para Portugal e para os bancos portugueses” e vão reclamar “honra nos compromissos” que com eles “foram assumidos”.

A AMELP é constituída por mais de 400 associados, sobretudo trabalhadores emigrantes portugueses, e já protagonizou vários protestos em Paris e em cidades portuguesas, com o objetivo de reaver as poupanças dos emigrantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

A nossa (grande) ‘Quadrilha’

Filomena Martins
372

Não é estranho que nos últimos anos se tenham descoberto tantos suspeitos de crimes entre os mais poderosos do país? Eram todos bons rapazes antes ou só agora alguém teve coragem para os investigar?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site