Orçamento do Estado

Governo tem outro “coelho na cartola” que pode dar borla de IRC a prazo

170

"Expresso" avança que o Governo pode fazer encaixe financeiro imediato com reavaliação de ativos, uma medida que pode vir a favorecer as grandes empresas no longo prazo (e penalizar as PME).

FILIP SINGER/EPA

O Governo tem em vista mais um mecanismo para melhorar a execução orçamental deste ano, além do chamado “perdão fiscal”. A medida em cima da mesa passa por um incentivo fiscal para a reavaliação de ativos das empresas, avança o Expresso este sábado.

A medida consta de um decreto-lei aprovado pelo Conselho de Ministros de 22 de setembro. O governo garante que se trata de uma medida de apoio à capitalização das empresas mas um conjunto de fiscalistas contactados pelo jornal explicam que as empresas podem suportar mais imposto agora mas vir a beneficiar no futuro.

Em causa estão os ativos fixos tangíveis ligados às atividades comercial, industrial e agrícola, mas não só: propriedades de investimento também constam dos ativos que podem ser envolvidos nesta operação opcional (para as empresas).

Para o fisco, explica o Expresso, as empresas podem suportar um encargo maior nos próximos três anos mas depois podem recuperar esse imposto e sair a ganhar. Um dos fiscalistas contactados pelo jornal diz, mesmo, que a medida pode beneficiar as grandes empresas e prejudicar as PME (pequenas e médias empresas).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Mário Centeno

Cristiano Ronaldo ou Pedro Barbosa?

João Cândido da Silva

Mário Centeno reconheceu que o Estado foi pior pagador em 2017. Pode ser o primeiro passo para desmentir que é um Ronaldo lá fora e um Pedro Barbosa cá dentro.

Desigualdade

RBI: uma questão de justiça e de liberdade

Ricardo Pinheiro Alves

Se já temos igualdade face à lei e na participação cívica, porque não ter também igualdade de rendimentos? Por dois valores fundamentais, que se devem sobrepor ao da igualdade: a justiça e a liberdade

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site