António Costa

Não há competição de otimismo com Marcelo até porque isso “seria imbatível”, diz Costa

O primeiro-ministro disse não estar a competir com o Presidente da República em matéria de otimismo, porque, "além do mais", o chefe do Estado "seria imbatível".

O líder do executivo respondia aos jornalistas, em Lousada, em relação crescimento da economia portuguesa, a propósito das declarações de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o Produto Interno Bruto

JOSÉ COELHO/LUSA

O primeiro-ministro disse esta sexta feira não competir com o Presidente da República em matéria de otimismo, porque, “além do mais”, o chefe do Estado “seria imbatível”.

Nós não competimos em otimismo, porque, além do mais, ele seria imbatível. O trabalho do Governo não são previsões, o trabalho do Governo é resultados”, afirmou António Costa.

O líder do executivo respondia aos jornalistas, em Lousada, em relação crescimento da economia portuguesa, a propósito das declarações de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o Produto Interno Bruto (PIB) registado no primeiro trimestre de 2017.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou na quinta-feira que “é uma hipótese que não está afastada” Portugal conseguir este ano um crescimento económico à volta de 3,2% e um défice de 1,4%. Marcelo Rebelo de Sousa referiu estes números à conversa com deputados croatas, em Zagreb, a propósito da evolução da situação económica e financeira em Portugal, num momento de recolha de imagens, captado e divulgado pela RTP.

O primeiro ministro disse hoje que “a atividade do Governo não é fazer previsões”.

Nós, quando elaboramos um orçamento, fazemos uma previsão. Procuramos ser muito conservadores nas previsões para não sermos apanhados por nenhuma surpresa. A nossa função é trabalhar para os resultados”, declarou.

Costa reafirmou que o seu executivo está “concentrado para o país continuar a crescer”.

Temos que fazer as coisas bem feitas, continuar numa trajetória de uma boa consolidação das finanças públicas, não com corte cegos, mas cumprindo todos os compromissos que assumidos e tendo tido o melhor resultado orçamental de sempre”, assinalou.

O chefe do Governo defendeu que os indicadores alcançados no primeiro trimestre “são resultados concretos”.

Nós temos um crescimento de 2,8, estamos a ter a maior queda do desemprego dos últimos anos, o rendimento das famílias está felizmente a aumentar, o investimento das empresas está a aumentar e isso são resultados, é para isso que o Governo trabalha”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Primeiro-Ministro

António Costa: o eterno número dois

João Marques de Almeida
771

Costa está a substituir o líder porque não há outro e porque Sócrates não pode liderar o PS. O PS socrático não tem hoje alternativa. Mas eles sabem que o PM não é o verdadeiro líder do seu partido.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site