Logo Observador
Tailândia

Vídeo em que rei da Tailândia passeia de top bloqueado pelo Facebook

Depois das várias pressões do governo tailandês, o Facebook acabou por bloquear o vídeo que mostrava o rei da Tailândia a passear de top num centro comercial. Mas há mais conteúdos a serem revistos.

RUNGROJ YONGRIT/EPA

Depois das várias pressões do Governo tailandês, o Facebook acabou por bloquear o vídeo que mostrava o rei da Tailândia a passear vestido com um top num centro comercial alemão. Além deste vídeo, há mais conteúdos sobre o monarca tailandês a serem revistos.

Depois de, no final da semana passada, o executivo tailandês ter dado quatro dias ao Facebook para retirar mais de 130 publicações que violavam as leis do país, eis que a rede social passou a rever os conteúdos partilhados pelos utilizadores daquele país asiático. Se tais conteúdos violarem as leis locais – nomeadamente criticar a família real -, então serão desativados e os utilizadores notificados pelo motivo pelo qual o seu acesso ficará impedido.

Entre essas publicações estava o vídeo que mostrava o atual rei Maya Vajiralongkorn a passear num centro comercial da Alemanha em top e a exibir as costas e os braços tatuados. Quem o partilhou garante serem imagens do verão de 2016, altura em que ainda era príncipe herdeiro. O El País mostra um vídeo explicativo, onde é possível ver essas imagens.

Apesar do governo tailandês não ter especificado que conteúdos foram bloqueados, as publicações que partilharam este vídeo não estão já acessíveis .

Os crimes por ofensas à família real podem ter penas até 15 anos de prisão.

Tailândia. Até 15 anos de prisão para quem criticar a monarquia nas redes sociais

Contas feitas, mais de 6900 páginas web foram encerradas pelos tribunais tailandeses e mais de 100 pessoas já foram presas. Várias organizações de defesa dos direitos humanos têm denunciado estes ataques. Apesar da censura, o atual monarca está envolvido em algumas polémicas, ao contrário do seu antecessor – Bhumibol Adulyadej, o seu pai – que contava com a admiração dos cidadãos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt