Logo Observador
Petróleo

OPEP espera aumento do consumo de petróleo em 2,1% este ano

A Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) anunciou que graças ao aumento da procura de petróleo em 2,1% este ano, o mercado encaminha-se para "o reequilíbrio" na segunda metade do ano.

LARRY W. SMITH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) anunciou hoje que graças ao aumento da procura de petróleo em 2,1% este ano, o mercado encaminha-se para “o reequilíbrio” na segunda metade deste ano.

A OPEP adverte, contudo, que o mercado se encaminha para esta posição, mas a “um ritmo lento” devido à maior produção prevista pelos Estados Unidos.

A OPEP calcula que o consumo anual de petróleo a nível mundial passe dos 95,4 milhões de barris por dia no primeiro semestre deste ano para 97,4 milhões de barris diários na segunda metade deste ano, representando um acréscimo de 2,1% em 2017, face ao ano anterior.

Este aumento, impulsionado pelo maior consumo de gasolina durante o verão no hemisfério norte, coincide com o que acontece na generalidade nesta temporada, sendo que a previsão da OPEP para 2017 divulgada em maio apontava para os 96,38 milhões de barris de petróleo por dia.

“Os Estados Unidos darão o maior contributo para a subida do consumo nos próximos seis meses”, enquanto o incremento previsto pelos países mais ricos da Europa é “marginal”, salienta o documento.

Do lado da oferta, em 2017, a chamada produção não-OPEP, situar-se-á em 58,14 milhões de barris por dia, menos 110.000 barris por dia que o calculado há um mês e mais 1,47% que em 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

Um dos mais brilhantes de uma geração pioneira

João Moreira Rato

Conheci Miguel Beleza só nos últimos anos e ainda tive a oportunidade de usufruir do seu humor fino. E continuei a ouvir dos seus pares: “É uma das inteligências mais brilhantes da minha geração”.

Obituário

Custa-me acreditar que tenha partido tão cedo

Aníbal Cavaco Silva

Miguel Beleza serviu Portugal com grande competência, ajudando-o a vencer as crises financeiras por que passou e a dar passos decisivos para que acompanhasse o aprofundamento da integração europeia.