Star Wars

Carrie Fisher consumiu cocaína, heroína e ecstasy antes de morrer

118

Inicialmente falava-se de ataque cardíaco. Na sexta-feira, um relatório apontava apneia do sono como causa da morte. Agora, a autópsia revela que a princesa Leia tinha consumido droga antes de morrer.

Brendon Thorne/Getty Images

Os resultados da autópsia de Carrie Fisher revelados esta segunda-feira mostram que a atriz tinha cocaína no sangue quando sofreu uma ataque cardíaco num voo com destino a Los Angeles, a 23 de dezembro do ano passado, avança a Associated Press.

O relatório avança ainda com a hipótese de que o consumo da cocaína terá ocorrido três dias antes do dia em que a atriz teve o ataque cardíaco, a 23 de dezembro, antes do voo. Carrie Fisher viria a morrer quatro dias depois, a 27 de dezembro.

Foram também encontrados vestígios de heroína, outros opiáceos e MDMA, conhecido por ecstasy. Os médicos-legistas não conseguiram identificar quando é que a heroína e o ecstasy foram tomados uma vez que são substâncias que só são detetáveis no sangue durante um curto período de tempo.

Não podemos estabelecer o significado das múltiplas substâncias que foram detetadas no sangue e nos tecidos da senhora Fisher em relação à causa da morte”, pode ler-se no relatório divulgado esta segunda-feira.

Os médicos-legistas não conseguiram determinar se o consumo dessas drogas está diretamente relacionado com a causa de morte da eterna princesa Leia de Star Wars.

Carrie Fisher morreu de apneia do sono e “outras causas”

Na passada sexta-feira, um relatório dos médicos-legistas de Los Angeles revelava que Carrie Fisher tinha morrido de apneia do sono e de “outros fatores não determinados”. Nesses fatores estava incluído o abuso de drogas.

A atriz da saga Star Wars morreu a 27 de dezembro e originalmente um ataque cardíaco teria sido a causa da sua morte. A mãe de Fisher, Debbie Reynolds, viria a morrer um dia depois da notícia da morte da filha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site