Vogue

Chelsea Manning, antiga militar transexual, de fato de banho para a revista Vogue

"Acho que a liberdade se parece com isto", é a descrição da foto que Chelsea Manning partilhou no Instagram. A antiga militar transexual foi fotografada para a edição que celebra 125 anos da Vogue.

Chelsea Manning/Twitter

A antiga militar transexual norte-americana Chelsea Manning foi fotografada por Annie Leibovitz, uma das mais prestigiadas fotógrafas mundiais, para a edição de setembro da revista Vogue. Manning partilhou esta quinta-feira uma dessas fotografias no Instagram.

“Acho que a liberdade se parece com isto” é a descrição da fotografia onde a ex-militar posa num fato de banho vermelho. A imagem conta com mais de 15 mil gostos e mais de 750 comentários — alguns com elogios, outros com mensagens de ódio em que a apelidam de traidora.

É que Chelsea Manning, antes Bradley Manning, divulgou documentos militares e diplomáticos relacionados com as guerras no Afeganistão e no Iraque no site Wikileaks, que denunciavam abusos cometidos por militares norte-americanos nestes dois países. Foi condenada a trinta e cinco anos de prisão por isso.

Nos últimos dias do mandato, o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reduziu a pena da antiga militar para sete anos, o que permitiu Manning sair em liberdade em maio deste ano. A ex-militar deveria sair da prisão apenas em 2045.

Na edição de setembro deste ano da revista Vogue, a atriz Jennifer Lawrence é capa (quatro vezes). Foi fotografada por Annie Leibovitz, Bruce Weber e Inez & Vinoodh para as quatro capas de setembro da Vogue norte-americana que celebram a 125ª edição da revista.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site