Catalunha

Puigdemont admite candidatar-se às eleições da Catalunha a 21 de dezembro

291

Carles Puigdemont assume, numa entrevista à RTBF, que pode avançar com uma candidatura às eleições da Catalunha a 21 de dezembro e admite ser ouvido por juízes mas da verdadeira justiça: a belga.

Carles Puigdemont garantiu em entrevista que não fugiu nem quer asilo político da Bélgica

AFP/Getty Images

Carles Puigdemont, antigo líder da Generalitat destituído depois de ter sido acionado o artigo 155 da Constituição de Espanha, admitiu esta sexta-feira, numa entrevista à Radio et Télévision Belge Francophone (RTBF), que pode avançar com uma candidatura às eleições da Catalunha no sufrágio marcado para o próximo dia 21 de dezembro.

“Se posso fazer campanha a partir do estrangeiro? Claro, pode fazer-se campanha a partir de qualquer parte”, responde Puigdemont num dos excertos já conhecidos onde destaca o facto de estarmos num “mundo globalizado”, justificando a ida para a Bélgica como uma forma de “explicar ao mundo o que se passa em Espanha”.

“Vão realizar-se eleições a 21 de dezembro e queremos que esses comícios corram nas condições mais normais possíveis. Não será com um governo na prisão que essas eleições serão neutras, independente e normais”, destacou ainda, numa frase citada pelo El País.

Em paralelo, Puigdemont, que se mantém em Bruxelas, assumiu também a possibilidade de ser ouvido por juízes “mas da verdadeira justiça [da Bélgica], não da justiça espanhola”. “A justiça espanhola não garante nada, consideramo-nos um governo legítimo. É uma justiça politizada. Não há garantias de um juízo justo”, salienta.

“Estou aqui não para pedir asilo político na Bélgica mas sim para defender um governo legítimo contra uma ação ilegal do Estado espanhol, contra uma ausência de garantias jurídicas num assunto político e para ter a liberdade de expressar-me. Não quero fugir, pretendo colaborar com a verdadeira justiça. Não fugi, saí de minha casa apenas como mais um cidadão europeu. E se as forças independentistas ganharem, o Estado vai respeitar esse mesmo resultado”, questionou.

Em paralelo, o ex-líder da Generalitat, que chegou aos estúdios acompanhado por sete pessoas e pediu o máximo de reserva possível também a nível de fotografias, sublinha que, desde que chegou à Bélgica, não esteve nem pediu para estar com nenhuma autoridade do país ou da União Europeia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Catalunha em S. Bento

Luís Reis
317

O desprezo que o Governo vota à Economia, às empresas e empresários, é uma constante e tornou-se gritante. Não incentiva o investimento, não dá sinais positivos de estabilidade e ufana-se de migalhas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site