Energia

General Eletric Power prepara-se para cortar 200 postos de trabalho em Setúbal

A General Eletric vai eliminar 200 postos de trabalho em Setúbal. A empresa justifica-se com a queda de procura por novas unidades de produção termoelétrica de energia.

URS FLUEELER/EPA

A General Electric (GE) prepara-se para reduzir cerca de 200 postos de trabalho em Setúbal no âmbito de uma reestruturação do seu negócio de energia na Europa e que terá impacto em Portugal, anunciou esta quinta-feira a empresa.

Em comunicado, a GE — que iniciou esta quinta-feira um processo de consulta com os representantes dos trabalhadores europeus – diz que, “em Portugal, no quadro da proposta apresentada antecipa-se um impacto, principalmente, nas atividades da unidade de Setúbal, incluindo uma redução de cerca de 200 postos de trabalho”.

“Este processo resulta das condições de mercado e do impacto significativo que têm tido na atividade da General Electric, nomeadamente a queda substancial, em todos os países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico], da procura por novas unidades de produção termoelétrica de energia”, justifica.

Neste contexto, continua, “a deterioração do mercado e a incerteza sobre o futuro das políticas climáticas também levaram os nossos clientes a reduzir consideravelmente os seus investimentos”.

A empresa diz que o anúncio desta quinta-feira é motivado pelos desafios que o mercado energético mundial enfrenta.

“Os mercados tradicionais de energia, incluindo o gás e o carvão, abrandaram. O volume de negócio baixou significativamente em produtos e serviços. Esta situação é motivada pelo excesso de capacidade existente, por uma utilização mais reduzida, pelo decréscimo de quebras, pelo aumento do fecho de centrais de vapor e pelo crescimento geral nas energias renováveis”, refere.

Perante esta conjuntura, e de forma a recuperar competitividade, a GE Power “tem de proceder a um corte substancial dos custos nos seus negócios”, acrescenta.

“Estas propostas não se fazem de ânimo leve e entendemos que este anúncio será difícil para muitas pessoas. Acreditamos que estas mudanças são necessárias para garantir que a General Electric permaneça competitiva, assegurando o futuro do negócio da energia”, justifica o diretor de recursos humanos da GE Portugal, Pedro Estrela, citado no comunicado enviado.

O mesmo responsável acrescenta que as propostas foram partilhadas com os representantes sindicais e será iniciado um período de consulta “antes de ser tomada qualquer decisão definitiva”.

“A proposta apresentada foi concebida como resposta à evolução das condições de mercado, tendo em conta a estagnação global do negócio de energia, nomeadamente em regiões como a Europa Ocidental que registam um declínio acentuado”, sublinha Pedro Estrela.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site