Pedro Santana Lopes

Santana Lopes defende que governação do país “precisa de ser reinventada”

388

Santana Lopes afirmou esta quarta-feira que a sua candidatura à liderança do PSD não serve para "gerir o que já existe", salientando que a governação do país "precisa de ser reinventada".

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes afirmou esta quarta-feira na Figueira da Foz que a governação do país “precisa de ser reinventada” e assumiu-se “contra corrente” ao pensamento dominante e a uma certa ortodoxia financeira.

Há muita maneira de gerir a coisa pública, de governar, que precisa de ser reinventada e é isso que eu quero fazer, é para isso que me candidatei, não me candidatei para gerir o que existe”, disse Pedro Santana Lopes aos jornalistas, à margem de uma sessão de esclarecimento da sua candidatura.

Em declarações precisamente 20 anos depois do dia em que venceu as eleições autárquicas na Figueira da Foz e no mesmo hotel onde celebrou a vitória em 1997, o antigo autarca e ex-primeiro-ministro lembrou essa “memória impressiva”: “Como calcula, 20 anos são 20 anos, há muitas músicas e letras sobre os 20 anos”, frisou Santana Lopes, lembrando uma campanha “extraordinária” e uma experiência “fantástica”.

Recordou que na altura, antes da campanha eleitoral, conhecia “muito pouco” da cidade e que, depois de estudar o concelho e o trabalhar, imprimiu uma gestão autárquica “contra corrente”, a mesma que agora admite definir a sua candidatura e querer para o país.

Será contra corrente em relação a um certo pensamento dominante, uma certa ortodoxia. Que, por exemplo, em matéria de política financeira, se preocupa mais com a consolidação orçamental, olhando só para o lado do controlo da despesa e não tanto com a expansão da receita, com a criação de riqueza”, declarou.

Santana Lopes considerou que “é contra corrente uma certa estagnação de pensamento, de um centralismo bacoco em Lisboa que não olha para a generalidade do território”, referiu. “E talvez também seja contra corrente por eu puxar muito pelas políticas sociais, área que conheço bem, que são temas quase ausentes da agenda política, infelizmente”, acrescentou Santana Lopes.

O candidato à liderança do PSD defendeu a importância da inovação e da investigação e a necessidade de Portugal “puxar” para o seu território empresas, investigadores e pessoas “que possam trazer valor acrescentado”. “Quero que Portugal seja a nova Finlândia, a Finlândia que já foi o símbolo da inovação e da investigação”, disse Santana Lopes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Salvar o SNS

Fernando Leal da Costa
103

A proposta de lei de António Arnaut e João Semedo cristaliza o financiamento do SNS e do direito à proteção de saúde num modelo que já está falido e não consegue deixar de ser sub-financiado.

Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site