Assédio Sexual

“Senhor dos Anéis”: Peter Jackson foi aconselhado pela produtora de Weinstein a não trabalhar com Ashley Judd e Mira Sorvino

O realizador dos filmes "Senhor dos Anéis" disse que a produtora de Weinstein o desaconselhou a trabalhar com Ashley Judd e Mira Sorvino porque era "um pesadelo trabalhar com elas".

Kevin Winter/Getty Images

O realizador Peter Jackson assumiu não ter incluído os nomes de Ashley Judd e Mira Sorvino na lista do elenco para os filmes “Senhor dos Anéis” depois de a produtora de Harvey Weinstein o ter desaconselhado a trabalhar com as atrizes. “Lembro-me da Miramax nos dizer que era um pesadelo trabalhar com elas e devíamos evitá-las a todo o custo. Isto foi provavelmente em 1998”, recordou o realizador à publicação neozelandesa Stuff.

Peter Jackson referiu mesmo que suspeita que lhe foram dadas “informações falsas” sobre estas “talentosas mulheres” e, consequentemente, “os seus nomes foram retirados da nossa lista de casting”. “Na altura, não tínhamos qualquer motivo para pôr em causa o que estes tipos nos estavam a dizer — mas, em retrospetiva, percebo que isto foi muito provavelmente a campanha de difamação da Miramax.”

Na sexta-feira, a porta-voz de Weinstein negou, através de um comunicado, as acusações, referindo que Harvey Weinstein e o irmão nada tiveram a ver com o casting dos filmes “Senhor dos Anéis” e que Ashley Judd fez depois parte do elenco dos filmes “Frida” e “Crossing Over”.

De acordo com Peter Jackson e a mulher, Fran Walsh, o produtor não está a ser sincero. “Nos 18 meses em que desenvolvemos ‘Senhor dos Anéis’ na Miramax, tivemos muitas conversas sobre o casting com Harvey Weinstein, Bob Weinstein e os seus executivos. (…) Entre os nomes mencionamos, a Fran e eu mostrámos o nosso entusiasmo pela Ashley Judd e pela Mira Sorvino. De facto, encontrámo-nos com a Ashley e debatemos dois possíveis papéis com ela. Depois desta reunião, a Miramax disse-nos para nos afastarmos tanto da Ashley como da Mira, porque disseram ter tido ‘más experiências’ com estas atrizes no passado”, lê-se num comunicado divulgado pela Entertainment Weekly.

Peter Jackson refere que este tipo de comentários sobre os atores “não é incomum”, mas uma vez que há este “feedback negativo sobre alguém, não se esquece”.

“Fran Walsh estava na mesma reunião que eu lembra-se destes comentários negativos sobre a Ashley e a Mira tão bem quanto eu. Não temos qualquer motivo para estar a inventar isto. (…) Os filmes passaram da Miramax para a [produtora] New Line antes do casting avançar — mas como tínhamos sido avisados sobre a Ashley e a Mira pela Miramax, e fomos naives o suficiente para assumir que nos contaram a verdade, a Fran e eu não mencionámos os seus nomes durante as conversas com a New Line”, esclareceu ainda Peter Jackson.

No Twitter, Ashley Judd confirmou esta situação, referindo que tanto Peter como Fran lhe mostraram diversas coisas relacionadas com os filmes, nomeadamente os fatos, e até lhe perguntaram qual dos papéis é que preferia, mas nunca mais lhe disseram nada. A atriz agradeceu ainda a Peter Jackson por ter vindo a público contar a verdade.

Mira Sorvino também recorreu ao Twitter para agradeceu ao realizador. “Ver isto depois de ter acordo, desmanchei-me em lágrimas. Aqui está, a confirmação de que Harvey Weinstein estragou a minha carreira, algo de que já suspeitava mas não tinha a certeza. Obrigada Peter Jackson por seres honesto.”

Na sequência deste tweet, o realizador Terry Zwigoff confessou ter estado interessado em ter Mira Sorvino no elenco do filme ‘Bad Santa’, “mas de cada vez que a mencionava ao telefone com os Weinstein, ouvia um click“. “Que tipo de pessoa simplesmente desliga o telefone daquela maneira? Parece que agora todos sabemos que tipo de pessoas. Lamento Mira”, lê-se no tweet.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Alimentação

A gula do sr. ministro

José Miguel Pinto dos Santos

Se a “alimentação saudável” é objetivo prioritário do Estado, porque é a medida restrita aos hospitais? Porque não proporcionar as suas vantagens também a todo o funcionalismo público e aos deputados?

Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site