Logo Observador

Vídeos. Como os caciques do PSD/Lisboa angariam votos

20 Julho 20174.404

O Observador filmou as eleições internas do PSD para mostrar o lado escondido dos partidos: as carrinhas de transporte de militantes, o controlo artificial das votações e a participação dos notáveis.

Era uma votação decisiva para Rodrigo Gonçalves, um dos maiores caciques do PSD em Lisboa: o presidente interino da concelhia da capital já exigia eleições para a secção lisboeta desde abril, quando se demitiu Mauro Xavier, o líder da estrutura. Sem sucesso. A sua oportunidade para fazer uma prova de força aconteceu nas eleições de 1 de julho, mas para os órgãos distritais do partido (não para os locais): promoveu uma lista para os delegados de Lisboa à Assembleia Distrital, encabeçada por Nuno Morais Sarmento, com Manuela Ferreira Leite como primeira subscritora. E ganhou. A lista para os delegados afeta a Pedro Pinto — candidato único a presidente da distrital, apoiante de Pedro Passos Coelho — foi derrotada pela Lista L de Gonçalves e Sarmento: teve apenas 597 votos e a concorrente conseguiu 801.

Na eleição para a liderança do PSD no distrito, a mesma fação liderada por Gonçalves conseguiu também que houvesse mais votos brancos e nulos do que em Pedro Pinto nas mesas de voto no concelho de Lisboa. Tudo isto exigiu uma grande mobilização de militantes.

Rodrigo Gonçalves é o líder da fação que representa a oposição interna a Pedro Passos Coelho e está em guerra com a distrital, sobretudo depois de o seu pai, Daniel Gonçalves, ter sido o único dos cinco presidentes de junta do PSD em Lisboa a ser impedido de se recandidatar — na sequência de um artigo do Observador que explicava o poder da família, o seu envolvimento em processos judiciais e agressões, e as adjudicações a empresas de militantes do PSD nas juntas de São Domingos de Benfica e das Avenidas Novas.

Em 2016, o grupo de Rodrigo Gonçalves tinha conseguido 726 votos para delegados ao congresso do PSD. Agora, conseguiu mais: 801.

Para mostrar como funciona a mobilização artificial de militantes nas eleições internas partidárias, e a forma como decorreu a votação de 1 de julho, o Observador usou três câmaras. Uma filmou em permanência a entrada da frente do Hotel Sana, perto do Marquês de Pombal, onde funcionam as mesas de voto do PSD no concelho de Lisboa. Outra focou a entrada das traseiras. Uma terceira câmara captou o que ia acontecendo nos corredores do hotel e na sala de votações. Ao longo de horas, ficou registado como diferentes automóveis levavam militantes a votar em viagens sucessivas, como os caciques controlavam quem ia votar e como isto era feito à vista de toda a gente. São esses vídeos que a seguir descodificamos. Foram deliberadamente desfocados os rostos dos militantes que o Observador não identificou como caciques, dirigentes, notáveis ou condutores das carrinhas.

O PSD tem 3.588 militantes no concelho de Lisboa com quotas pagas. A 1 de julho, um sábado de sol, apenas 1.442 foram votar, menos de metade (40,1%). Vários tiveram ajuda para chegar ao Sana. A carrinha Toyota verde que aparece no vídeo em baixo, por exemplo, foi pelo menos três vezes deixar militantes à porta do hotel.

Muitos dos votantes foram recolhidos e transportados até ao hotel. A carrinha Seat cinzenta que aparece no vídeo em baixo fez várias viagens naquela tarde. Segundo documentos consultados pelo Observador na Conservatória do Registo Automóvel, a carrinha pertence ao próprio Rodrigo Gonçalves, que admitiria ao Observador ter a sua viatura, de facto, sido usada para transportar militantes. O condutor, Luís Saldanha, ex-candidato do PSD à Junta de Freguesia de Marvila, mantinha-se em contacto com o pai de Rodrigo, Daniel Gonçalves, e com Ismael Ferreira, todos apoiantes da lista de Nuno Morais Sarmento. Tal como este motorista, todos os condutores que o Observador identificou a transportar votantes tinham papéis com listas na mão e falavam constantemente ao telemóvel.

A carrinha Citroën azul que aparece em baixo foi outra das viaturas usadas para descarregar militantes à porta da sala de votações. Também esteve ao serviço da fação controlada por Rodrigo Gonçalves: era conduzida por Carlos Nunes, funcionário da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, presidida por Daniel Gonçalves, e também membro da Lista L encabeçada por Morais Sarmento. Carlos Nunes esteve em contacto com o condutor da Seat cinzenta, Luís Saldanha.

Todos os militantes que se dirigiam ao Hotel Sana passavam obrigatoriamente pelas principais figuras interessadas na disputa eleitoral antes de conseguirem votar. Na entrada da frente esteve quase sempre Ismael Ferreira, acompanhado muitas vezes pelo seu aliado Daniel Gonçalves. O filho deste, Rodrigo Gonçalves, estava à porta da sala de votações, a cumprimentar os militantes e a ajudar a indicar a mesa onde deveriam votar. Nesse local, muitas vezes disputava as atenções com Pedro Pinto, candidato a líder, que chegou a dizer a Gonçalves que não devia estar a abordar militantes dentro da sala de voto. Pedro Pinto circulava com mais frequência entre a porta das traseiras e os corredores que davam acesso à sala de votações.

Mas quem são afinal estes caciques e que papel desempenharam na eleição? Ismael Ferreira, ex-líder da antiga secção Oriental do PSD/Lisboa, é pastor numa Igreja Evangélica e em 2009 era acusado por outros militantes de pagar votos. O próprio admitia: “Podem ter visto uma coisa pontualíssima de alguém que sai de um táxi a quem se prometeu um pagamento do transporte”, disse na época. Passou toda a tarde e noite de 1 de julho na porta principal do Hotel Sana, a receber pessoas, a fazer telefonemas e a dar indicações. Membro da fação Gonçalves, em 2014 Daniel Gonçalves deu-lhe uma avença de 5,4 mil euros por nove meses de trabalho na junta das Avenidas Novas.

Rodrigo Gonçalves foi presidente da junta de freguesia de São Domingos de Benfica e subiu a presidente interino da concelhia do PSD/Lisboa. Estima-se que controle mais de 600 votos de militantes social-democratas. Nestas eleições internas, integrou a lista de delegados à Assembleia Distrital encabeçada por Nuno Morais Sarmento, vista como de oposição a Passos Coelho e que poderá apoiar Rui Rio se este avançar para a liderança do partido. O seu pai, Daniel Gonçalves, presidente da junta de freguesia das Avenidas Novas, estava sobretudo na porta da frente do hotel, a receber os militantes e a acompanhar alguns deles até à sala de votações.

E os notáveis do partido, como se posicionaram? Nuno Morais Sarmento, que não escondeu que esta eleição interna foi um primeiro passo para desafiar a liderança de Passos Coelho — e que pode resultar num apoio a Rui Rio –, foi recebido por Rodrigo Gonçalves e cumprimentou quase toda a gente na sala de votações.

A primeira subscritora desta lista foi Manuela Ferreira Leite, ex-líder do PSD e ex-ministra das Finanças. Depois de votar, Daniel Gonçalves despediu-se dela à porta, dizendo-lhe “Sôtora, muito obrigado pela sua presença”. Ferreira Leite foi acompanhada à saída por António Preto, conhecido como “homem da mala”, por ter sido acusado de receber 122,8 mil euros em dinheiro de construtores civis para pagar as quotas em atraso de militantes, antes de ser eleito presidente da distrital de Lisboa do PSD – um caso de que foi absolvido em tribunal ao fim de 14 anos. António Preto foi o líder mais marcante da já extinta Secção A do PSD, de Benfica, que passaria depois a ser controlada por Rodrigo Gonçalves.

O líder do PSD, Passos Coelho, de quem Pedro Pinto é próximo, foi um dos últimos a votar, meia hora antes do fecho das urnas. Quando entrou na sala, trocou um seco aperto de mão com Rodrigo Gonçalves, que o acusara de ter seguido uma “linha estalinista” no processo autárquico em Lisboa.

Apesar de ser candidato único à liderança da distrital do PSD/Lisboa, Pedro Pinto também tinha uma máquina para controlar e mobilizar a votação de militantes. No vídeo em baixo, aparecem dois dos seus homens no terreno. Um é Nuno Firmo, presidente da Secção Ocidental do PSD e seu vogal na lista à Comissão Política Distrital — já tinha sido implicado num escândalo de criação de falsas fichas de militantes nas eleições internas de 2010, que levaram Passos Coelho à liderança. O outro é Carlos Martins, que já nessa época era o seu braço-direito. Foram investigados pelo Ministério Público, mas o processo por falsificação de assinaturas foi arquivado. Passaram a tarde e a noite junto à porta das traseiras do hotel, a gerir a chegada dos votantes. Outro dos seus ajudantes foi Gonçalo Perdigão Soares, vice-presidente da JSD de Lisboa e coordenador da Associação Académica da Universidade Lusíada, que ajudava a fazer o controlo de 32 votantes, com os papéis que podem ver-se na carrinha Volvo em que se deslocou todo o dia.

Pedro Pinto alternava entre a porta principal do hotel, o corredor de acesso à sala de voto e a porta das traseiras, onde se mantinha em contacto com o grupo de Nuno Firmo e Carlos Martins. A fação de Nuno Firmo em Lisboa depende da influência de Luís Newton, presidente da junta de Freguesia da Estrela, e de Sérgio Azevedo, deputado do PSD, com quem tem alinhado desde os tempos da JSD.

Por muito que se tente controlar um processo destes, há sempre falhas nos detalhes mais básicos: o nome de Pedro Pinto não constava dos cadernos eleitorais por alegadamente não ter pago as quotas e foi adicionado à mão no fim da lista. O caso, revelado em primeira mão pelo Observador, já levou à entrega de pedidos de impugnação do acto eleitoral ao Conselho de Jurisdição Nacional. Se estas eleições internas tiverem de ser repetidas, os caciques dos dois lados arranjarão maneira de voltar à carga.

Leia as restantes peças da investigação do Observador aos bastidores das eleições internas do PSD/Lisboa:

Texto de Vítor Matos, Pedro Jorge Castro e Miguel Pinheiro, edição vídeo de Raquel Sá Martins.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vmatos@observador.pt
Ciência

Os Pobres Pupilos do Sr. Reitor

João Pires da Cruz
669

O senhor Reitor é de uma clareza cristalina: se não fugirem às obrigações fiscais, as universidades veem a aplicação de umas ridículas garantias laborais aos bolseiros como favorecimento aos privados.