Logo Observador
Crise no GES

Caiu um banqueiro. Cairá o sistema de poder que ele representava?

Autor
1.310

Ninguém é "dono disto tudo" se não alimentar o concubinato com o poder político. Isso é mais, muito mais, do que ser apenas o "banqueiro de todos os regimes", pois é todo um sistema de poder.

Um dos paradoxos quando olhamos para os activos do Grupo Espírito Santo é a desproporção entre as suas propriedades palpáveis e a fama do “dono disto tudo”. Para além do BES, e do que o BES tem na PT, por exemplo, a famosa RioForte tem em Portugal apenas a Herdade da Comporta, os negócios na área da Saúde, a cadeia de hóteis Tivoli e mais uns investimentos imobiliários e ainda a Espirito Santo Viagens. Bem sei que há mais investimentos no Brasil e Angola e que as ramificações do Banco ainda chegam a mais países, mas quando olhamos para o portfolio da holding que agrupa as participações não financeiras da família Espírito Santo surge-nos a pergunta inevitável: mas como foi que com isto se acumulou uma dívida estimada em sete mil milhões de euros? E de onde é que vinha afinal o poder do “dono disto tudo”?

Esta pergunta é crucial pois ainda há três ou quatro anos Ricardo Salgado era visto como o homem mais poderoso de Portugal. Mais poderoso do que o primeiro-ministro. Muito mais poderoso do que os empresários que aparecem na lista dos mais ricos. Muitíssimo mais poderoso do que os presidentes dos bancos concorrentes.

Para compreendermos o enorme estoiro do grupo e o maremoto de consequências que aí vem temos de tentar perceber como é que Ricardo Salgado chegou tão alto. E como caiu.

Uma parte da história do grupo nas últimas duas ou três décadas não é substancialmente diferente da história de muitas outras ascensões vertiginosas em Portugal e, sobretudo, no estrangeiro. Algumas dessas histórias acabaram muito mal quando a crise financeira se declarou, e a nossa história do GES só não acabou na mesma altura e da mesma maneira porque o poder dos Espírito Santo não era só financeiro – era também político e cultural.

Comecemos pela forma como o grupo se organizava, com participações em cascata, uma estratégia muito habitual em quem não tem capital e quer dominar grupos muito grandes. Muito esquematicamente, funciona assim: eu tenho, por hipótese, 100% de uma holding familiar, que depois tem uma minoria de controle de 25% numa holding maior, a qual por sua vez tem outra minoria de controle de 40% (por exemplo) noutra holding mais abaixo que por sua vez tem 25% de um banco e, com isso, direito a escolher o seu presidente por acordo com outros accionistas. Fazendo as contas, isto significa que posso chegar a controlar um banco que vale, por hipótese, mil milhões, a partir de um capital inicial de apenas 25 milhões. É a este esquema de participações sucessivas que se chama “participações em cascata”. Não estou a dizer que foi exactamente assim que se organizaram as participações do grupo Espírito Santo, mas o retrato real não há-de ser muito diferente.

Toda cascata de holdings estava, ao mesmo tempo, muito alavancada em dívida. Muitos dos negócios não financeiros em que entretanto a família se foi envolvendo não geravam dinheiro suficiente para controlar de forma equilibrada a dívida, pelo que se ia fazendo mais dívida para suportar a dívida existente. Foi assim que muita empresa estoirou na crise financeira: se não fosse conhecido que o GES tem actividades em vários sectores e em vários países, a queda do grupo assemelhar-se-ia ao estouro de um “esquema de Ponzi”, ou em linguagem mais portuguesa e mais popular, de um “esquema Dona Branca”. É que esta forma de funcionamento, com imprudência e acumulação de negócios ruinosos, sempre com base na crença de que um dia os resultados chegarão e se conseguirá amortizar as dívidas, só funciona se houver entrada permanente de dinheiro fresco capaz de suportar os encargos crescentes.

No caso do Grupo Espírito Santo, a única forma de manter de pé este castelo de cartas foi conseguir alguns negócios de resultados garantidos. À cabeça de todos esses negócios esteve sempre a PT, mas é bom não esquecer também a EDP. Para o conseguir Ricardo Salgado tinha de estar nas boas graças do governos – mais: tinha de ser ao mesmo tempo cúmplice e mandante dos governos. Até porque vivíamos o tempo das “golden share”. Ou seja, é preciso ser mais do que “banqueiro de todos os regimes” para ter chegado a gozar das facilidades de acesso ao poder que Ricardo Salgado tinha, e houve períodos em que isso aconteceu.

A relação de BES e de Ricardo Salgado com a PT, com os governos que também mandaram na PT e com os gestores que foram passando pela PT, é o melhor exemplo de algo que era muito mais do que o respeito do banqueiro pelo regime – era um concubinato em que uns favores pagavam outros favores, em que uma mão limpava a outra e, no fim do dia, tudo acabaria, caso Ricardo Salgado fosse um pouco mais plebeu, com uma palmada nas costas e um “porreiro, pá”.

O pináculo do poder do “dono disto tudo” coincidiu com o pináculo do poder do primeiro-ministro que levou mais longe o despudor neste tipo de relações: José Sócrates. Da tomada de poder no BCP à tentativa de compra da TVI passando pela OPA da Sonae à PT, Sócrates ajudou Salgado e Salgado ajudou Sócrates. Aqui e nas PPP ou nos negócios da energia. Ou na recíproca ajuda do BES ao Estado quando começou o aperto da dívida.

Esta teia de poder tinha muitas ramificações, nomeadamente na comunicação social. Aqui não era preciso sequer ter participações no capital, se bem que as houvesse por empresas amigas, como a Ongoing. Bastava saber que as empresas estavam todas aflitas e que anunciantes como a PT ou a EDP, para não falar do próprio BES, sempre pesaram muito nas receitas de jornais, rádios e televisões. Perdê-los podia ser a falência a prazo, e isso sabia-se em muitas redações.

Quando a crise financeira destapou o sobre-endividamento de todo o grupo, a solução foi a fuga em frente, com apoio político de um governo que então se endividava até à estratosfera. A ruptura só chegou, numa primeira fase, com o episódio da venda da Vivo, e depois com as descidas do rating da república que deixaram os bancos encostados à parede.

Os últimos anos foram de fuga em frente e de negação da realidade. São os anos em que Ricardo Salgado deixa de ter cúmplices em São Bento e no Banco de Portugal. Os anos em que recusa a ajuda a que recorreram os outros bancos porque sabia que iria ter alguém a olhar para as suas contas por detrás do seu ombro, porventura até com secretária no lendário open space da administração no 15º andar da sede da avenida da Liberdade. Os anos que conduziriam à aflição dos últimos meses, quando para alimentar a pilha de dívida foi necessário começar a emitir papel comercial, a prazos muito curtos.

Houve um tempo em que os investidores comentavam que em Portugal ainda era mais difícil entrar do que em Angola: tudo tinha de passar por Sócrates e Salgado, como se esta aliança entre o poder político e o poder financeiro tivesse constituído uma espécie de medieval “direito de pernada” sobre a economia portuguesa. Mas engana-se quem pensar que as cumplicidades começaram e acabaram nesse tempo. Não é assim e todos nos lembramos como em alguns dos mais polémicos e discutidos negócios das duas últimas décadas apareceu demasiadas vezes alguma empresa do universo Espírito Santo. Estou a lembrar-me, por exemplo, da Escom no caso dos submarinos, ou do polémico abate de sobreiros no caso Portucale.

É por tudo isto que se olha para o que se passou e não se consegue saber se estamos apenas perante o caso da queda de mais um banqueiro, uma queda fragorosa porque era o “dono disto tudo” e, de repente, olha em volta e vê faltarem-lhe os amigos, ou se é mais do que isso, se é o sinal do fim de um regime e dos seus hábitos promíscuos, o fim de um regime fechado, não concorrencial, onde se protegem amigos e os amigos nos protegem a nós, um regime onde se obedece aos poderes instalados

Era bom que fosse o fim desse Portugal, mas não sei. Não sei mesmo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Demografia

Ter de mudar quase tudo, e não querer mudar nada

José Manuel Fernandes
440

Somos um país cada vez mais envelhecido e isso tem e terá imensas consequências no nosso futuro - e também na forma como vivemos a velhice. Mas enquanto houver geringonça ninguém discutirá o problema.