Bloco de Esquerda

Campismo selvagem

Autor
2.794

Ano após ano há dois rituais infalíveis: um é o acampamento de Verão do Bloco de Esquerda, o outro é a minha crónica a pretexto. A rapaziada do BE não desiste. Eu não resisto. Tudo ali é engraçado.

Ano após ano, por esta altura, há dois rituais infalíveis: um é o acampamento de Verão do Bloco de Esquerda, o outro é a minha crónica a pretexto. A rapaziada do BE não desiste. Eu não resisto. Tudo no “evento” é engraçado, a começar pelo nome. Não sei se por fina ironia ou grosso analfabetismo, o “evento” chama-se Liberdade, o que produz o delicioso efeito de um “workshop” do Ku Klux Klan subordinado ao tema Tolerância. E daqui para a frente é sempre a descer. Ou a subir, se atendermos exclusivamente ao potencial cómico da coisa e, sobretudo, se esquecermos que a coisa influencia o governo da nação.

Um artigo babado no “Público”, também recorrente a cada final de Julho, é naturalmente a melhor fonte de informação disponível. O título do artigo só não é todo um programa porque o programa do acampamento é assaz vasto, mas dá uma ideia bastante aproximada da toleima em jogo: “Os jovens do Bloco vão dançar contra o racismo e estudar ‘O Capital’”. Notaram a diferença? Jovens menos “conscientes” poderiam estudar o racismo e dançar contra “O Capital”. Ou estudar matemática e tocar clarinete a favor do pastel de nata. Ou simplesmente ir à praia e dormir o dia inteiro.

Não é o caso de Izaura Solipa, menina que pertence à organização e, suponho, usa pseudónimo (no ano passado, a cicerone do “Público” fora a militante Ana Rosa, “de voz serena mas segura, e uns olhos castanhos rasgados”). Para a Izaura, “um político que não pense verdadeiramente nas relações todas que existem, como lemos o mundo, como intervir no mundo, em todos os espaços e esferas que frequentamos, um político que não tenha essa reflexão vai ter sempre um lado insuficiente”. A Izaura, que pensa nas relações todas, lê o mundo todo e intervém em todos os espaços e esferas, não corre risco de insuficiência. Nem ela, nem os 150 felizardos que, a troco de meros 40 euros, acorrerão este fim-de-semana a Oliveira do Hospital. Para quê?

Ora essa. Para testemunhar “um concerto do rapper e activista Chullage”. Para frequentar festas “femininas e queer” (ignoro se mistas ou separadas). Para integrar um “debate” (os debates do BE distinguem-se dos demais por estarem decididos à partida) alusivo às drogas “duras e leves”, “dicotomia” que, de acordo com Izaura, “é preciso desconstruir” (eu não disse?). Para ouvir uma conversa em volta de “Saúde Mental e Capitalismo” (sumário provável: quem não aprecia o comunismo deve ser maluco). A catequese – e os sermões a convertidos – não se resume a isto. As beatas Mortágua explicarão “O que é o BE”. Marisa Matias “ajudará a uma reflexão sobre a importância da linguagem”. O deputado Jorge Costa dissertará a propósito da “geringonça”. Etc.

Parece divertido? De certeza que será. Porém, sem querer menosprezar ninguém, tenho os meus momentos favoritos, colhidos directamente do programa do acampamento. Um deles é o “Não Engolimos Sapos – Situação do Povo Romani”. Terá a sua piada observar a desenvoltura com que os participantes louvarão a riqueza cultural da etnia em causa e, de seguida, marcharão para os “espaços permanentes” feminista e queer, dois sectores bastante prezados pelo “povo romani”.

Um segundo momento consiste em perceber de que maneira se concilia tanto bailarico contra o racismo com a palestra “Queremos viver na nossa cidade”, a previsível xenofobia enquanto reacção ao turismo e ao lamentável enriquecimento dos cidadãos.

Um terceiro momento é o “debate”/conversa “Movimentos Anti-imperialistas na América Latina”, que provará em definitivo os sucessos estrondosos de Lula, Chávez e daquele estadista do Uruguai que, por renúncia à higiene burguesa, criava fungos nos dedos dos pés.

O apogeu prende-se, sem dúvida, com a homilia do Bispo Louçã “Revolução Russa e Luta Feminista”. É garantido que Sua Eminência falará do direito de voto concedido às mulheres, da legalização do aborto e, em suma, da igualdade de “género” que a URSS promoveu. Não é garantido que mencione a inutilidade do referido voto, a legalização do genocídio em geral e o respeito pela paridade que, à imagem dos cavalheiros, conduzia as senhoras ao Gulag em números apreciáveis. Suspeito igualmente que não mencionará a criminalização da homossexualidade, pormenor que talvez perturbasse a pândega “queer”. Ou, muito provavelmente, não perturbaria nada, circunstância normal num acampamento que se intitula Liberdade e se destina a proibir o que calha. A palavra a Izaura Solipa: “Não pode haver racismo, xenofobia, sexismo, ciganofobia…” Nem “ciganofobia”, Deus meu? O que sobra, então?

Sobra um processo de “educação” obviamente evocativo e caricatural do Komsomol leninista, da Gioventù Italiana ou da nossa Mocidade Portuguesa, consoante as preferências. Por mim, prefiro associar os acampamentos do BE ao Templo do Povo, o projecto de “socialismo apostólico” que convenceu um milhar de tontinhos a seguir um charlatão até à selva da Guiana e a fundar aí um enclave de demência. Em Jonestown, merecida homenagem ao charlatão, os tontinhos acreditaram nas patranhas de “Jim” Jones acerca dos perigos do “imperialismo” e das virtudes “revolucionárias”. Mal aquilo descambou, acreditaram quando ele os instigou ao suicídio por cianeto. Admito que, no acampamento do BE, não seja esse o assunto do “debate” “Direito a Morrer com Dignidade”. Ali, a ideia é viver sem dignidade nenhuma.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caso José Sócrates

Sócrates & Companhia Ilimitada

Alberto Gonçalves
3.660

Em tempos, faltava pouco para que o fervor dos devotos por Sócrates suscitasse imolações pelo fogo. Hoje assobiam para o lado e preferem que o indivíduo se imole sozinho. Nem a lepra assustava assim.

Pedro Passos Coelho

A noite das facas rombas

Alberto Gonçalves
2.788

De Soares a Cavaco, houve políticos tão detestados quanto Pedro Passos Coelho. Não houve ninguém detestado por gente tão infalivelmente repulsiva, por tantas nulidades tão pouco recomendáveis.

Politicamente Correto

Os autocarros do amor

Alberto Gonçalves
1.284

Felizmente, à revelia da propaganda que tanta “vender” os transportes públicos a título de amigos do ambiente ou da circulação urbana, há jornalistas sem medo de os denunciar como os amigos do deboche

Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site