Logo Observador
Festival Eurovisão da Canção

Portugal salvadorável

Autor
175

Quem se fica por cá corre o risco de estiolar. Talvez por isso não consigamos ser felizes: esta terra bela não se auto-estima. Os portugueses para serem reconhecidos cá dentro têm de triunfar lá fora.

Um país não é uma pessoa. Um país é feito de pessoas. Mas um país tem direito a ser feliz e um país só é feliz se o forem as pessoas do país. Os portugueses são felizes?

O relatório anual da ONU coloca Portugal como o 94º país mais feliz do Mundo em 2016… sendo analisados 157 países, isso significa que estamos na metade inferior da tabela. Os portugueses são infelizes?

É tudo relativo, claro. No dia da graça de 13 de Maio passado, milhões de portugueses sentiram-se felizes, arriscaria mesmo dizer extremamente felizes. Os católicos, por ver e tocar o Papa da esperança, os benfiquistas pelo 4º título consecutivo, a maioria pela primeira vitória de um português no festival da eurovisão.

Portugueses felizes, país feliz? Nem todos. Nem tanto.

Os ateus e os agnósticos (mais aqueles do que estes) não comungaram, naturalmente, do júbilo dos cristãos. Podem até ter apreciado a visita do jesuíta franciscano que é Francisco e da projecção global de um fenómeno nacional (local), mas isso não os terá tornado mais felizes. Também não rejubilaram os milhões de portugueses que não são do Benfica, alguns sentiram-se até infelizes. Sobra Salvador Sobral e o seu caso merece alguma reflexão adicional, a juntar aos milhares de palavras que sobre ele já foram escritas.

A música é muito boa (mas muitas músicas boas levou Portugal ao eurofestival ao longo dos anos, as quais tiveram, na maioria, zero points). A voz é excelente (mas tantas vozes excelentes, etc.). Cantou em português (cantámos quase sempre em português). Cantou muito bem, em português, uma música boa, o que não destoa dos outros portugueses que cantaram muito bem, em português, músicas boas. O que distingue Sobral?

Entenda-se bem, é imenso o mérito de Salvador e da irmã. Mas por que ganhou ele este ano com uma canção lenta, dolente quase, cruzamento de balada, fado e bossa nova? Não faço ideia, só recolho razões do muito já dito: cansaço de canções festivaleiras e sem conteúdo; uma maneira sentida de cantar, gestos surpreendentes, uma interpretação que nos interpela; a força de uma história, a comoção pela doença (que ambos tiveram a coragem de nunca evocar); a forma quase obsessiva como a melodia se pega ao ouvido, se propaga ao coração e não se apaga; um poema que conta uma história simples, como é quase sempre o amor.

Não sei, não sei. Mas sei uma coisa que não é agradável: já Sobral (os Sobrais) ganhara o luso festival e ainda poucos de nós sabiam quem ele era; ainda ele não viajara para Kiev e já a maioria decidira, por convicção ou desconhecimento (festival da quê?), que iria ignorar mais uma vez, como há tantos anos, esse ridículo evento eurofestivo em que os nossos artistas, a nossa música e a nossa cultura foram sempre ignorados. Até que…

Até que um rumor se levantou a leste, sobre um jovem português de olhos esbugalhados e gestos estranhos que começava a conquistar corações. Que a música “amar pelos dois” subia na lista dos favoritos, se tornava ela mesma favorita, surpreendia os comentadores, abalizados ou não. E de repente eu (me confesso) resolvi dar atenção; escutei pela primeira vez a canção; não fiquei convencido … aquele gesto da cabeça, os estranhos requebros inabituais…

Ouvi outra vez, melhorou. Nas redes sociais crescia o rumor. Depois, Luísa Sobral cantou-se a si mesma nos ensaios, a lenda de Salvador ganhou corpo. Voltei a ouvir a música, uma vez e outra, em mais do que uma versão; comecei a dar por mim a trautear “meu bem, escuta as minhas preces”, embalado por uma estranha e bela melodia, como o som da água fresca inesgotável de um ribeiro a descer uma colina verde. Esperança.

Eu e milhões de outros demos-lhe atenção. E Salvador Sobral ganhou, fez-se o herói novo de uma nação agradecida. Dizer menos é dizer nada. Fez afirmações certeiras, foi irreverente, a espaços iconoclasta, manteve sempre uma calma olímpica. Salvador é bom, é muito bom.

E eu pergunto: só agora é que ele é bom? Teve de ganhar a eurovisão para conhecermos a sua “voz de anjo”? Saber que canta como sente, que sente o que canta (talvez sinta porque canta)? O que me leva a outra reflexão, suscitada aliás por uma frase de Pedro Magalhães nas redes sociais: porque precisamos tanto de reconhecimento alheio – da comunicação social, dos governantes, das redes sociais, das pessoas dos outros países – para repararmos nos nossos talentos, nos nossos jovens, nos nossos salvadores sobrais?

Quem se fica por Portugal corre o risco de aqui estiolar. Talvez por isso não consigamos ser felizes: esta terra bela, este pequeno país que amamos, não se auto-estima. Os portugueses sabem que para serem reconhecidos cá dentro têm primeiro de triunfar lá fora. Caso contrário, o seu valor é quase sempre menorizado. “Façam favor de ser felizes”, dizia Raul Solnado. Mas ninguém devia ter de fazer esse favor.

Vivemos um tempo extraordinário, em tudo semelhante ao que o país conheceu nos finais dos anos 90: então, como agora, fomos grandes, organizámos a Expo-98, cumprimos os critérios de convergência, entrando no primeiro pelotão do euro, começámos a participar regularmente em fases finais de grandes competições de futebol, ganhámos o prémio Nobel (ganhou-o Saramago, a viver em Espanha), o PIB crescia perto dos 3%. Fomos felizes.

O 13 de Maio de 2017 é o nosso novo momento feliz. Vivemos um período em que, de repente, o Mundo olha para Portugal e nos reconhece; um momento raro de conjugação de triunfos desportivos e artísticos, de afluxo sem precedentes de turistas apaixonados pelas nossas cidades, pelo nosso clima, por nós. E até a economia ajuda. Mas se não aproveitamos esta oportunidade para nos darmos importância, para valorizar os nossos jovens enquanto cá estão, reconhecendo-os, premiando-os, aplaudindo-os – que o mérito não seja consagrado apenas nas chegadas ao aeroporto – então teremos desperdiçado mais um momento feliz.

“Salvadorable” é uma notável hashtag: mas “Salvadorável” não lhe fica atrás, pois não?

Que diabo, Portugal não pode ser mais infeliz do que a Noruega, a Costa Rica, o Chile, a Arábia Saudita, a Venezuela, o Kazasquistão, o Peru, a Croácia ou o longínquo Butão.

E se esta crónica parece digna de uma redacção de criança, talvez seja porque as crianças portuguesas merecem aprender a ser felizes; para que o país, quando crescerem, o seja também.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Não vai haver Brexit!

Paulo de Almeida Sande
316

Quando o tempo se esgotar sem acordo sobre o essencial, e dificilmente haverá um, podem os Estados-membros prorrogar o prazo negocial. Nesse cenário, a fragilidade de May será maior do que nunca.

Alterações Climáticas

Os lemingues

Paulo de Almeida Sande

O fogo nas florestas portuguesas, independentemente das responsabilidades de uns e outros, é um episódio mais da tragédia humana do aquecimento global auto-induzido.

Desastres Naturais

8,9 na escala de Richter

Paulo de Almeida Sande

Há coisas verdadeiramente inevitáveis. Mas o rigor na prevenção, o realismo na planificação e a persistência na acção são cruciais para minorar as consequências das tragédias, até as mais inevitáveis.

Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Proteção Civil

Lei da Rolha: a censura cor-de-rosa

José Pinto

O calor – mais em sentido real do que figurado – dos incêndios não é bom conselheiro. Há que refrescar a informação no sossego climatizado dos gabinetes. Uma verdade a exigir intermediação.

Maioria de Esquerda

Jogo da Glória: regras e regulamentos

Alberto Gonçalves
128

Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia”. Recue uma casa