Logo Observador
Homossexualidade

Sendo Gentil com Abel

Autor
808

As pessoas não gostam que lhes chamem homofóbicas, mas, pondo o politicamente correcto de lado, que outro nome chamar a quem inventa resultados científicos para negar direitos aos casais homossexuais?

Infelizmente, a entrevista de Gentil Martins ao Expresso deu uma grande celeuma. Digo infelizmente não por considerar que seja razoável chamar estupor moral a Cristiano Ronaldo por este, alegadamente, ter recorrido a uma barriga de aluguer para gerar os seus filhos ou dizer que a homossexualidade é uma anomalia comparável à auto-mutilação. Evidentemente que estas afirmações não são razoáveis, como qualquer pessoa pouco preconceituosa reconhecerá. Mas defendo que o direito à liberdade de expressão inclui o direito a dizer grandes imbecilidades e que é um erro táctico propagá-las. Ainda por cima, este direito deve ser reforçado com a idade.

Bem sei que não é politicamente correcto dizer que se deve dar um desconto às declarações de pessoas idosas, mas atendendo a que as leitoras e os leitores do Observador, tipicamente, detestam o politicamente correcto, não se importarão que eu não o seja. Que as nossas competências intelectuais, sociais e profissionais variam com a idade é um facto médico e é um facto que se encontra espelhado em diversos pontos na lei. Por exemplo, só quem é maior de idade pode tirar a carta de condução e só quem 35 anos se pode candidatar à Presidência da República. E, no outro lado do espectro, em certas profissões, a reforma é obrigatória a partir de certa idade. Manter a carta de condução também é um suplício para quem tem mais de 70 anos. Não vale a pena estar com eufemismos, o cérebro de uma pessoa aos 87 anos não é o mesmo que o de uma pessoa aos 37. Cinquenta anos de envelhecimento fazem a diferença, infelizmente.

Acresce a isso que, mesmo não estando a senilidade a tomar conta de Gentil Martins, o facto de ter nascido em 1930 garantiu-lhe uma formação homofóbica e cheia de preconceitos. Fez parte do seu treino médico aprender que o “homossexualismo” era uma doença psiquiátrica. Só nos anos 70, esta “doença” começou a ser retirada dos anais da Medicina. Não sendo a Psiquiatria a sua área de especialidade, não choca que tenha ficado parado no tempo. É verdade que, como cirurgião pediátrico, e dado o seu prestígio, podem ter-lhe passado pelo bloco operatório algumas crianças hermafroditas (a que hoje chamamos intersexo), pelo que tinha obrigação profissional de se manter actualizado sobre questões de género e sexualidade. Mas, na verdade, acontece a muito boa gente parar de se actualizar cientificamente em domínios que não sejam da sua estrita especialidade.

Não concordo assim com o pedido de averiguações que a psiquiatra Ana Matos Pires — declaração de interesses: é minha amiga — fez à Ordem dos Médicos, pedindo uma posição pública sobre o que foi dito na entrevista. Como disse, sou a favor de alguma latitude no direito a dizer imbecilidades, mesmo que homofóbicas, e essa latitude deve ser proporcional à idade. Da entrevista de Gentil Martins, a única declaração que me parece digna de averiguação é a de que ainda faz cirurgias. Ou é mentira, e nesse caso é apenas mais uma palermice que se desculpa a alguém daquela idade, ou é verdade e então é grave.

Já me choca mais ler aqui no Observador o artigo de Abel Matos Santos, psicólogo, que escreveu que Gentil Martins tem razão em tudo o que disse. Abel Matos Santos não tem a desculpa da idade nem a geracional. Como a maioria dos homofóbicos que escreve na imprensa e fala na televisão, queixa-se muito de perseguições e, em particular, de que o querem silenciar. Ainda no seu último artigo se voltou queixar de tentativas de silenciamento. Na verdade, basta fazer uma pesquisa com o seu nome para perceber que as tentativos de o emudecer têm sido infrutíferas. E felizmente que assim é, seria uma estupidez calá-lo.

A primeira vez que ouvi falar do senhor foi a pretexto do debate sobre co-adopção por parte de casais homossexuais. Na altura, eu considerava esquisito que houvesse tantos estudos científicos a considerar que, para o desenvolvimento da criança, fosse indiferente ter um pai e uma mãe ou ter dois pais ou duas mães e nenhum a concluir o contrário. Assim procurei saber se não haveria estudos modernos que fossem contra a corrente dominante. Devo dizer que sempre fui a favor do casamento homossexual, mas concordava que, quando se falava de crianças, o assunto era diferente e merecia uma discussão específica, porque envolvia o bem-estar de um terceiro. Como não seriam os defensores da co-adopção que me iriam fornecer a literatura que eu procurava, tive de recorrer ao outro lado da barricada.

E foi um artigo de Abel Matos Santos, no jornal i, que me indicou o caminho. Os resultados de um estudo que citava não deixavam margens para dúvidas: “As crianças criadas por pessoas do mesmo sexo têm resultados significativamente piores nas dimensões sociais, emocionais e relacionais.”

O problema é que o estudo referido, publicado em 2012, era acusado por muitos de ser uma fraude científica. As críticas foram tantas e os argumentos tão fortes que a própria revista (Social Science Research) decidiu fazer uma auditoria interna. O membro do seu corpo editorial encarregado de fazer essa investigação, Darren Sherkat, foi muito claro na conclusão a que chegou: o artigo publicado era um monte de merda (“It’s bullshit”, no original). Na verdade, mesmo o autor do estudo, Mark Regnerus, diria mais tarde que este não devia ser usado para discutir os efeitos que tem numa criança o facto de ser criada por dois homens ou duas mulheres. E isso por uma razão muito simples: o estudo não versava sobre esse tema. Por exemplo, na sua amostra de quase 3000 pessoas, apenas duas tinham sido educadas por duas mulheres durante toda a sua infância.

Explico melhor: como todos mais ou menos sabem, na maioria dos assuntos, há estudos para todos os gostos e é sempre necessário fazer o esforço para separar o trigo do joio. Mas, naquele debate, o único estudo que foi apresentado para contrariar o direito das crianças a serem adoptadas por um casal homossexual era, não há outra forma de dizê-lo, uma treta. Assim, foi graças a Abel Matos Santos que me convenci de que não havia mesmo nenhum motivo racional para se ser contra.

Compreendo que as pessoas não gostem que lhes chamem homofóbicas. Mas, pondo o politicamente correcto de lado, não sei que outro nome chamar a alguém que, para negar direitos aos casais homossexuais, inventa resultados científicos que não existem. Tal como não sei o que chamar a alguém que, como Abel Matos Santos no ano passado, diz que não há consenso científico contra a aplicação de terapias de reconversão para a homossexualidade. Mentiroso seria um nome possível, mas pode não ser o caso. Pelo menos conscientemente. O mais provável é mesmo que a sua homofobia o impeça de ser objectivo nestes assuntos. Com certeza que a Psicologia explica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Restaurantes

A ASAE ao serviço de burlões

Luís Aguiar-Conraria
3.630

A ASAE é simplesmente uma palhaçada se não tem instrumentos para lidar com os restaurantes de Lisboa que burlam turistas. Por mim, os clientes devem recusar-se a pagar - eles depois que chamem a ASAE.

Governo

Coutadas e conflitos de interesse

Luís Aguiar-Conraria
232

As nomeações recentes para a ANACOM mostram que o Governo ainda não percebeu a importância da regulação para um crescimento económico sustentável. Os conflitos de interesses eram mais do que óbvios.

Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues
2.601

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida
806

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição

Isabel Moreira

Basta! Venha lá o louvor a Gentil Martins

José Ribeiro e Castro
16.859

Isabel Moreira tem-se especializado em perseguir e ordenar perseguições a cidadãos e profissionais com base nas suas convicções, opiniões e afirmações, o que era uma das tarefas da Gestapo e da Stasi.

Politicamente Correto

Anomalias democráticas

Alexandre Homem Cristo
2.854

Gentil Martins, médico, não pode falar como cidadão e dar a sua opinião. Mas Ferro Rodrigues, presidente da AR, pode ter “posições pessoais” com críticas ao Ministério Público. Algo não bate certo.