Homossexualidade

Sendo Gentil com Abel

Autor
808

As pessoas não gostam que lhes chamem homofóbicas, mas, pondo o politicamente correcto de lado, que outro nome chamar a quem inventa resultados científicos para negar direitos aos casais homossexuais?

Infelizmente, a entrevista de Gentil Martins ao Expresso deu uma grande celeuma. Digo infelizmente não por considerar que seja razoável chamar estupor moral a Cristiano Ronaldo por este, alegadamente, ter recorrido a uma barriga de aluguer para gerar os seus filhos ou dizer que a homossexualidade é uma anomalia comparável à auto-mutilação. Evidentemente que estas afirmações não são razoáveis, como qualquer pessoa pouco preconceituosa reconhecerá. Mas defendo que o direito à liberdade de expressão inclui o direito a dizer grandes imbecilidades e que é um erro táctico propagá-las. Ainda por cima, este direito deve ser reforçado com a idade.

Bem sei que não é politicamente correcto dizer que se deve dar um desconto às declarações de pessoas idosas, mas atendendo a que as leitoras e os leitores do Observador, tipicamente, detestam o politicamente correcto, não se importarão que eu não o seja. Que as nossas competências intelectuais, sociais e profissionais variam com a idade é um facto médico e é um facto que se encontra espelhado em diversos pontos na lei. Por exemplo, só quem é maior de idade pode tirar a carta de condução e só quem 35 anos se pode candidatar à Presidência da República. E, no outro lado do espectro, em certas profissões, a reforma é obrigatória a partir de certa idade. Manter a carta de condução também é um suplício para quem tem mais de 70 anos. Não vale a pena estar com eufemismos, o cérebro de uma pessoa aos 87 anos não é o mesmo que o de uma pessoa aos 37. Cinquenta anos de envelhecimento fazem a diferença, infelizmente.

Acresce a isso que, mesmo não estando a senilidade a tomar conta de Gentil Martins, o facto de ter nascido em 1930 garantiu-lhe uma formação homofóbica e cheia de preconceitos. Fez parte do seu treino médico aprender que o “homossexualismo” era uma doença psiquiátrica. Só nos anos 70, esta “doença” começou a ser retirada dos anais da Medicina. Não sendo a Psiquiatria a sua área de especialidade, não choca que tenha ficado parado no tempo. É verdade que, como cirurgião pediátrico, e dado o seu prestígio, podem ter-lhe passado pelo bloco operatório algumas crianças hermafroditas (a que hoje chamamos intersexo), pelo que tinha obrigação profissional de se manter actualizado sobre questões de género e sexualidade. Mas, na verdade, acontece a muito boa gente parar de se actualizar cientificamente em domínios que não sejam da sua estrita especialidade.

Não concordo assim com o pedido de averiguações que a psiquiatra Ana Matos Pires — declaração de interesses: é minha amiga — fez à Ordem dos Médicos, pedindo uma posição pública sobre o que foi dito na entrevista. Como disse, sou a favor de alguma latitude no direito a dizer imbecilidades, mesmo que homofóbicas, e essa latitude deve ser proporcional à idade. Da entrevista de Gentil Martins, a única declaração que me parece digna de averiguação é a de que ainda faz cirurgias. Ou é mentira, e nesse caso é apenas mais uma palermice que se desculpa a alguém daquela idade, ou é verdade e então é grave.

Já me choca mais ler aqui no Observador o artigo de Abel Matos Santos, psicólogo, que escreveu que Gentil Martins tem razão em tudo o que disse. Abel Matos Santos não tem a desculpa da idade nem a geracional. Como a maioria dos homofóbicos que escreve na imprensa e fala na televisão, queixa-se muito de perseguições e, em particular, de que o querem silenciar. Ainda no seu último artigo se voltou queixar de tentativas de silenciamento. Na verdade, basta fazer uma pesquisa com o seu nome para perceber que as tentativos de o emudecer têm sido infrutíferas. E felizmente que assim é, seria uma estupidez calá-lo.

A primeira vez que ouvi falar do senhor foi a pretexto do debate sobre co-adopção por parte de casais homossexuais. Na altura, eu considerava esquisito que houvesse tantos estudos científicos a considerar que, para o desenvolvimento da criança, fosse indiferente ter um pai e uma mãe ou ter dois pais ou duas mães e nenhum a concluir o contrário. Assim procurei saber se não haveria estudos modernos que fossem contra a corrente dominante. Devo dizer que sempre fui a favor do casamento homossexual, mas concordava que, quando se falava de crianças, o assunto era diferente e merecia uma discussão específica, porque envolvia o bem-estar de um terceiro. Como não seriam os defensores da co-adopção que me iriam fornecer a literatura que eu procurava, tive de recorrer ao outro lado da barricada.

E foi um artigo de Abel Matos Santos, no jornal i, que me indicou o caminho. Os resultados de um estudo que citava não deixavam margens para dúvidas: “As crianças criadas por pessoas do mesmo sexo têm resultados significativamente piores nas dimensões sociais, emocionais e relacionais.”

O problema é que o estudo referido, publicado em 2012, era acusado por muitos de ser uma fraude científica. As críticas foram tantas e os argumentos tão fortes que a própria revista (Social Science Research) decidiu fazer uma auditoria interna. O membro do seu corpo editorial encarregado de fazer essa investigação, Darren Sherkat, foi muito claro na conclusão a que chegou: o artigo publicado era um monte de merda (“It’s bullshit”, no original). Na verdade, mesmo o autor do estudo, Mark Regnerus, diria mais tarde que este não devia ser usado para discutir os efeitos que tem numa criança o facto de ser criada por dois homens ou duas mulheres. E isso por uma razão muito simples: o estudo não versava sobre esse tema. Por exemplo, na sua amostra de quase 3000 pessoas, apenas duas tinham sido educadas por duas mulheres durante toda a sua infância.

Explico melhor: como todos mais ou menos sabem, na maioria dos assuntos, há estudos para todos os gostos e é sempre necessário fazer o esforço para separar o trigo do joio. Mas, naquele debate, o único estudo que foi apresentado para contrariar o direito das crianças a serem adoptadas por um casal homossexual era, não há outra forma de dizê-lo, uma treta. Assim, foi graças a Abel Matos Santos que me convenci de que não havia mesmo nenhum motivo racional para se ser contra.

Compreendo que as pessoas não gostem que lhes chamem homofóbicas. Mas, pondo o politicamente correcto de lado, não sei que outro nome chamar a alguém que, para negar direitos aos casais homossexuais, inventa resultados científicos que não existem. Tal como não sei o que chamar a alguém que, como Abel Matos Santos no ano passado, diz que não há consenso científico contra a aplicação de terapias de reconversão para a homossexualidade. Mentiroso seria um nome possível, mas pode não ser o caso. Pelo menos conscientemente. O mais provável é mesmo que a sua homofobia o impeça de ser objectivo nestes assuntos. Com certeza que a Psicologia explica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria
203

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Assembleia Da República

Um hemiciclo com paredes de vidro

Luís Aguiar-Conraria
148

Temos agora um site que permite saber o sentido de voto de cada deputado em cada diploma discutido na Assembleia da República. Todo este trabalho foi gratuito, não resultou de um subsídio.

PS

Um Governo que desistiu de governar?

Luís Aguiar-Conraria
826

Um PS que prefere a actual solução parlamentar a uma maioria absoluta é um PS que desistiu de cumprir o seu programa. É deixar quem defende o essencial do seu programa eleitoral sem ter em quem votar.

Homossexualidade

Hereges e beatas

Luis Carvalho Rodrigues
2.601

Eu percebo que gente como a deputada Isabel Moreira não faça a mínima ideia do que é uma “verdade científica” sobre a homossexualidade. Mas já custa ver a professora Ana Matos Pires repetir a tolice.

Sociedade

Esquerda e instrumentalização da homossexualidade

João Marques de Almeida
806

Os liberais devem defender os direitos dos homossexuais e lutar, contra os ataques das esquerdas radicais, por uma sociedade assente na família tradicional. A maioria dos portugueses terá esta posição

Isabel Moreira

Basta! Venha lá o louvor a Gentil Martins

José Ribeiro e Castro
16.859

Isabel Moreira tem-se especializado em perseguir e ordenar perseguições a cidadãos e profissionais com base nas suas convicções, opiniões e afirmações, o que era uma das tarefas da Gestapo e da Stasi.

Identidade de Género

A Esquerda e a libertação do Homem

Pedro Morais Vaz

Vamos dar esta mensagem a jovens de 16 anos: “Ainda não tens maturidade suficiente para ingerir uma cerveja, mas não nos opomos a que troques de sexo”. Serei o único a ver algo de patológico nisto?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site