O presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), Reis Campos, afirmou que o setor está num momento de inversão, havendo indicadores positivos, depois de cinco anos críticos.

Em declarações à Lusa, antes da cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais da AICCOPN para o triénio até 2016, na qual foi reconduzido como presidente, Reis Campos disse haver agora elementos que demonstram um “aumento nas promoções de obras públicas, que a reabilitação urbana se consolidou, que o crédito à habitação aumentou, que as insolvências diminuíram e o desemprego se reduziu”.

“Temos indicadores que nos dão alguma esperança da inversão de um setor que foi reajustado, dimensionado”, afirmou o também dirigente da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário (CPCI), que classificou os últimos cinco anos como tempos “de perfeita rutura”.

De acordo com Reis Campos, os responsáveis do setor estão agora voltados para o Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas do Governo, com obras num montante total de seis mil milhões de euros até 2020, e, por outro lado, para a reabilitação urbana.

“Acreditamos que a reabilitação urbana vá ter agora a sua maior expressão, ou seja, depois da lei das rendas que foi alterada, depois do regime jurídico da reabilitação que foi também mudado, depois da taxa liberatória que foi conseguida, depois do regime excecional que há pouco entrou em vigor, temos agora a lei dos solos”, afirmou o presidente da AICCOPN.

Reis Campos disse ainda esperar que “o Governo cumpra o que está prometido” em relação ao “programa para financiamento aos particulares para a reabilitação, para efeitos quer do arrendamento quer para habitação”.