Rádio Observador

Eleições Europeias

Depois de Costa, Ferro e César avisam Seguro. Direção alerta contra “deslealdade”

385

O coro de críticas a Seguro voltou a crescer. Depois de Costa, foi a vez de Carlos César e Ferro Rodrigues falarem em vitória curta. Na direção há quem avise: contestação interna seria "desleal".

Seguro reclamou uma "grande vitória" na noite das europeias

AFP/Getty Images

Os socialistas reúnem-se no sábado em Comissão Nacional e esta promete ser uma longa semana para António José Seguro. Os históricos estão insatisfeitos com o resultado da eleições europeias e já assumem divergências. Primeiro foi António Costa logo no rescaldo da noite eleitoral. Hoje, foi Carlos César, ex-presidente do Governo Regional dos Açores. E Ferro Rodrigues, ex-líder do partido. Nenhum deles, porém, pôs em causa o secretário-geral.

A vitória por pouco mais de três pontos para a coligação “soube a pouco” junto dos socialistas. Carlos César diz que sim, que esta foi uma derrota para a direita, mas que o PS tem ainda muito para fazer. Diz o ex-presidente do Governo Regional dos Açores que os portugueses

escolhem, maioritariamente, o que resta de viável como alternativa – o PS – para lutar na frente europeia e liderar a mudança interna necessária. Mas têm dúvidas muito significativas sobre se lhe devem confiar para o futuro o exclusivo de execução desse novo rumo”.

Numa nota publicada no Facebook, Carlos César diz que “é verdade que a maior é a derrota do PSD, mas não é politicamente negligenciável a vitória do PS”. Na cabeça do socialista, crítico da liderança de Seguro, está a necessidade de eleições antecipadas: “Isso é importante essencialmente porque o Governo, face a esta prova eleitoral, debilitar-se-á progressivamente, perderá capacidade de discernimento, e o país, igualmente, perderá tempo que lhe é precioso”. Mas para estar preparado para essa prova, o PS precisa de “melhorar, para ser capaz de interpretar mais intensamente a esperança que falta a tantos portugueses. Estou convencido que assim será”.

As movimentações de pressão a António José Seguro acordaram com a madrugada. Entre os críticos com quem o Observador falou, alguns afinam estratégia para pressionarem o máximo o líder na reunião de sábado. Mas depois da disputa falhada pela liderança há um ano, todos parecem ter traumas por sarar. Quem apoiou António Costa para a liderança do partido – o que acabou por não acontecer, depois de Costa ter entrado em acordo com Seguro – diz agora não estar disponível para dar a cara, sem que haja uma posição clara do presidente da Câmara de Lisboa. Costa e César estão em contacto, mas é de todo incerto que destas conversas saia algum tipo de decisão.

Mas a verdade é que os telefonemas não páram no PS. Muitos deles foram para os Açores – e vários a criticar César pelas suas palavras de manhã cedo. Depois delas, César voltou a escrever no Facebook para dizer que não ficou “eufórico” com a vitória do PS porque esta foi “modesta”. E se o PS de Seguro não melhorar “comprometerá o seu sucesso nas legislativas”.

Ferro Rodrigues também falou sobre os resultados, esta manhã, na TSF. Para dizer que a vitória do PS “soube a pouco” e confessar que os números finais não chegam para forçar o Presidente da República a convocar eleições antecipadas (um discurso que contraria o de Seguro, que esta manhã voltou a acentuar essa pressão sobre Cavaco Silva).

A este coro junta-se ainda João Galamba. O deputado do PS escreveu um artigo de opinião no Expresso onde diz que o PS está “longe de ter tido uma vitória histórica” e que, se é “evidente que existe um largo consenso na sociedade portuguesa de que o país precisa de uma mudança”, também é verdade que “o PS ainda não está em posição liderar essa grande maioria”.

Já durante a tarde foi a vez de Vítor Ramalho, histórico dirigente socialista próximo de Mário Soares, lançar mais pressão sobre António José Seguro. Numa entrevista na TVI24, Vítor Ramalho disse não estar “confortável” com o resultado da noite eleitoral e questionado sobre a direção de António José Seguro respondeu: “Evidentemente que não estou confortável coma posição da direção e os socialistas em geral não estão. E isso deve ser dito.” Vítor Ramalho faz parte do núcleo duro do ex-Presidente que, recorde-se, não participou na campanha socialista para estas eleições europeias. Mário Soares recusou o convite que a direção de Seguro lhe enviou já durante a última semana para o tradicional almoço no Chiado, durante essa seta-feira à tarde, teve no entanto um encontro com o ex-líder do PS, José Sócrates.

Deslealdades

A direção do PS, para já, deixa um aviso no ar. Ao Observador, Álvaro Beleza, membro da direção socialista, diz não acreditar que perante uma vitória haja um ataque à liderança:

O PS não tem problema nenhum, porque ganhou. Se houver [um ataque à liderança], é pouco leal”, acrescenta.

O dirigente defende que esta foi uma vitória de todos: “Temos diferenças de opinião, mas não estou a ver que haja a tentação de pôr em causa uma vitória. O partido esteve unido”, lembra Beleza, referindo-se à inclusão na lista de candidatos de todas as alas, mesmo a de Sócrates.

Para Beleza, o problema destas eleições foi sobretudo um problema de regime. E por isso defende uma alteração da lei eleitoral para a Assembleia da República. “O PS tem de liderar esse processo”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)