Rádio Observador

Mundial 2014

A “manigância” dos ingleses em 1966

Em 1966, Otto Glória pegava na seleção e levava-a ao primeiro Mundial. Em Inglaterra, a equipa de Eusébio, Coluna, Torres e José Augusto só parou nas meias-finais. Culpa dos ingleses. E talvez da FPF.

Eusébio saiu do relvado de Wembley em lágrimas, após a derrota (2-1) com a Inglaterra, nas meias-finais do Mundial de 1966

Allsport Hulton/Archive/Getty Images

Em 1930, a FIFA pega na caneta e começa a escrever a história dos Mundiais. As primeiras páginas escrevem-se no Uruguai e, 36 anos depois, chega-se ao capítulo inglês da aventura – o primeiro com um personagem português. Bem vistas as coisas, o que seria de um campeonato do mundo sem o homem que numa prateleira, em casa, tinha a última edição da Bola de Ouro? Eusébio (37 golos em 1965/66) tinha de lá estar. E por arrasto, Otto Glória, o seleccionador nacional.

Ou seria o contrário? Talvez. Em 1965, o brasileiro aterra na seleção, segura o volante e começa a dar boleia a algumas caras que já conhecia. Mário Coluna (Benfica), Alberto Festa (Porto) ou Hilário e Morais (Sporting), por exemplo, já tinham experimentado a relação com o treinador – que, antes, estivera nos encarnados entre 1954 e 59, nos leões em 1960/61 e nos dragões desde 1963 a 65.

No motor de Portugal, o da seleção, contudo, Otto Glória nunca tinha mexido. Eusébio, José Torres, António Simões ou José Augusto, o primeiro ‘olá’ entre estes quatro e o técnico surge apenas quando se encontram na seleção. E raros são os ‘adeus’ que trocam em 1966. Além de marcarem presença na fase de qualificação, todos são titulares nos seis jogos que a seleção faz no Mundial – isto no tempo em que as substituções ainda não existiam nas regras.

Otto Glória guia-os bem. Três vitórias, nove golos marcados e dois sofridos na fase de grupos. No primeiro jogo, frente à Hungria (3-1), a seleção marca no minuto inicial, por José Torres, com tanta pressa que a transmissão televisiva da RTP ainda nem sequer tinha começado. Segue-se o 3-0 à Bulgária, com dois golos de Eusébio, os primeiros que marca no Mundial. Depois, o Brasil de Pelé e Jairzinho (2-1). O motor da seleção já ganhava corridas. Afinal, o Benfica fora campeão europeu quatro anos antes e, em 1964, o Sporting conquistara a Taça das Taças.

Daí o resumo de José Augusto. “Tinhamos um grande traquejo, com muitos bons jogadores e o Eusébio num plano superior”, disse o ex-internacional português, ao Observador. Tudo verdade – até aparecer a Coreia do Norte, nos quartos de final. Aos 25 minutos, a seleção perdia 3-0 contra uma equipa de desconhecidos, que passara os últimos dois anos na Alemanha de Leste a preparar a competição.

Ao intervalo já estava 3-2. Menos mau, mas não para Otto Glória. “Porra, vocês deram-me a maior alegria quando ganharam aos meus irmaos brasileiros, e agora, contra uma equipa do Walt Disney, fazem isto? Vão lá para dentro e comam-nos vivos”, terá dito o treinador, no balneário, na memória de José Augusto. Deu resultado: 5-3 no final do jogo e Portugal ganhava um bilhete para as meias-finais.

A “malta que ficou” com Portugal

E conquistava Liverpool, a “terra dos Beatles”, como José Augusto chama à cidade onde a seleção nacional realizou estes quatro encontros. “Quando virámos o jogo contra a Coreia aquela malta ficou connosco e, como a seleção inglesa não tinha nenhum jogador do Liverpool, os ingleses ficaram com medo de jogar ali contra nós”, argumentou o antigo jogador, hoje com 77 anos.

Alto e pára a conversa, aqui há correções a fazer. Na seleção inglesa havia três nomes do Liverpool: Gerry Byrne, Ian Callaghan e Roger Hunt. Este último, avançado, até cumpre todos os 570 minutos do Mundial, com três golos pelo caminho. Mas continuemos. “Com a ideia de que Wembley tem capacidade para 100 mil pessoas e Goodison Park só tem metade, a federação inglesa arranjou a manigância de mudar o jogo para Londres”, critica José Augusto.

Então os ingleses decidem e a coisa acontece? Não. Falta a “anuência” da seleção nacional. E quem a dá é a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). “Sem ela o jogo nunca seria transferido”, garante. O ‘sim’ à proposta, diz José Augusto, “deve ter dado à FPF muito dinheiro”, pois “a seguir ao Mundial [em 1967] até comprou a sede da Praça da Alegria”, em Lisboa, e por lá ficou até 2004.

O ex-jogador do Benfica, que marca três golos durante o Mundial, assegura que “isto nada influencia o resultado” – uma derrota por 2-1. Portugal perde, Eusébio chora e resta a luta pelo terceiro lugar. “Tínhamos uma equipa que podia competir com qualquer equipa do mundo, em qualquer lado”, garante José Augusto, dizendo até que terá sido esta convicção a pesar na tal “anuência” da FPF. Dois dias passam e surge a União Soviética. Na baliza está Lev Yashin, único guarda-redes até hoje a vencer a Bola de Ouro, em 1963. Eusébio marca-lhe um penálti aos 12 minutos, pega na bola e cumprimenta-o. “Disse-lhe que ia marcar para a esquerda e marquei mesmo. Não engano os amigos”, diria o Pantera Negra, após o Mundial, o primeiro de Portugal.

E que estreia. Depois, “foi como tudo na vida”. O tudo que José Augusto lamentou ter vindo após a aventura em Inglaterra. A partir de 1966, houve uma série de pessoas que tinham interesse em estar na federação e ser treinadores da seleção nacional”, criticou. Afinal, a experiência de 1966 tinha sido boa e, depois, “os portugueses até começaram a ser bem recebidos no estrangeiro”.  Tudo correu bem. Tanto que a seleção apenas regressou aos Mundiais passados 20 anos. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)