Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um mês depois de o Observador ter falado dela, Telma Garcia, a única mulher portuguesa procurada pela Interpol, foi presa no Rio de Janeiro. Segundo conta hoje o Correio da Manhã, foi detida depois de ter sido agredida pelo homem que a terá ajudado no assassinato do marido na Suíça, precisamente o crime que levou as autoridades internacionais a dá-la como procurada.

A detenção ocorreu em Belford Roxo, município do Rio de Janeiro, depois de a polícia ter ido a uma casa socorrer uma vítima de violência doméstica, que era precisamente a portuguesa. Quando chegaram à esquadra, os polícias descobriram que a portuguesa era procurada pela Interpol por tentativa de homicídio e colocaram-na em prisão preventiva. Já o seu amante, Max Gleisson da Silva, foi apenas identificado. As autoridades suíças pedem agora a extradição de Telma Garcia.

Jornais brasileiros contam uma versão diferente da história: Telma terá sido, sim, vítima de violência doméstica e ter-se-á dirigido à polícia local para apresentar queixa. Ela própria, afirma a comunicação social, terá assumido que era procurada pelas autoridades suíças.

Como tinha noticiado o Observador, antes do crime Telma já tinha estado no Brasil, onde fez o primeiro estágio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR