O presidente egípcio, Abdel Fattah Sissi, considerou hoje que o plano egípcio representa uma “possibilidade real” para pôr fim ao conflito na Faixa de Gaza, devastada por 26 dias de guerra entre o Hamas e Israel,

“A iniciativa egípcia é uma possibilidade real para pôr fim à crise e ao banho de sangue na Faixa de Gaza”, afirmou Sissi quando uma delegação palestiniana é esperada hoje no Cairo para novas negociações com o objetivo de estabelecer uma trégua entre o Hamas e Israel.

Sissi, que falava durante uma conferência de imprensa conjunta no Cairo com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, sublinhou que “o tempo urge”.

Mais de 1.600 palestinianos civis já morreram desde o início da ofensiva de Israel na Faixa de Gaza a 8 de julho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A iniciativa egípcia, apresentada dias depois do início da ofensiva israelita, previa um cessar-fogo seguido de negociações indiretas e foi aceite por Israel, mas rejeitada pelo Hamas, que exigia com condição prévia o levantamento do bloqueio em vigor desde 2006, a abertura da fronteira com o Egito e a libertação de prisioneiros por Israel.

Apesar do fracasso de uma trégua humanitária, de 72 horas, na sexta-feira, o Cairo assegurou que mantém o convite às delegações palestiniana e israelita para negociações tendo em vista um cessar-fogo.

O presidente palestiniano, Mahmud Abbas, assegurou na sexta-feira que uma delegação composta por membros do seu movimento, Fatah, bem como do Hamas e da ‘Jihad’ islâmica se deslocariam hoje, “quaisquer que fossem as circunstâncias”, ao Egito para negociações.