Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi para marcar os 100 anos da entrada de Inglaterra na 1ª Guerra Mundial que nasceu um dos marcos mais impressionantes das celebrações mundiais daquele marcante momento da história do século XX. Um campo com 888,246 papoilas de cerâmica, plantadas em volta da Torre de Londres.

O artista plástico Paul Cummins e o designer Tom Piper são os criadores responsáveis por esta enorme instalação chamada “Blood Swept Lands and Seas of Red” ou em tradução livre, Campos Ensanguentados e Mares de Vermelho. Ontem foi a vez de Harry e Kate prestarem a homenagem da Casa Real.

As papoilas, o símbolo das comemorações, foi inspirado no poema “In The Flanders Fields” do poeta e soldado na I Guerra Mundial, John McCrae:

“In Flanders fields the poppies blow
Between the crosses, row on row,
That mark our place; and in the sky
The larks, still bravely singing, fly
Scarce heard amid the guns below.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

We are the Dead. Short days ago
We lived, felt dawn, saw sunset glow,
Loved and were loved, and now we lie
In Flanders fields.

Take up our quarrel with the foe:
To you from failing hands we throw
The torch; be yours to hold it high.
If ye break faith with us who die
We shall not sleep, though poppies grow
In Flanders fields”

No site dos locais históricos da Casa Real Inglesa, nomeadamente do Torre de Londres, diz-nos que podemos comprar uma destas papoilas comemorativas por 25 libras (31 euros) e que o valor reverterá para instituições de caridade.