Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Paulo Portas veio responder ao Tribunal Constitucional (TC), declarando que os cortes salariais para lá de 2015 que foram chumbados são “viáveis” e que os juízes do Ratton, pelas declarações de Sousa Ribeiro, não terão objeções quanto ao princípio da Contribuição de Sustentabilidade, mas sim em relação aos regimes estabelecidos. O vice-primeiro-ministro disse ainda que o Governo vai ler atentamente o acórdão para saber se este “viabiliza ou impede uma política relativa à sustentabilidade” das pensões.

Com Pedro Passos Coelho de férias, coube ao vice-primeiro-ministro comentar os chumbos do Tribunal Constitucional. Portas disse que na apresentação da nova Contribuição de Sustentabilidade, o Governo teve em mente os “critérios apontados pelos acórdãos anteriores” e que com esta medida, haveria uma “recuperação muito significativa do valor que a CES retirava”. Esperava, portanto, que passasse no TC.

Com esta declaração de inconstitucionalidade, o Executivo “vai ler com atenção o texto” deste acórdão, já que Paulo Portas admite que a objecção dos juízes “poderá ser relativa não ao princípio do diploma, mas à sua respetiva consideração dos vários regimes estabelecidos ao longo dos tempos”.

Quanto à reposição dos salários, Paulo Portas disse que o Governo vai procurar “atender qual é o grau de precisão face aos anos seguintes” – já que a reposição de 20% em 2015 estava garantida -, avançando que está é “uma questão viável”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

CDS e PSD: nada está perdido

Os centristas acusam o Tribunal Constitucional de aparentemente apresentar “agora novas questões” sobre a Contribuição de Sustentabilidade, defendendo publicamente que o Governo fez bem em ter pedido a avaliação das medidas, embora diga que esta decisão suscita preocupação.

“Portugal tem metas europeias do Tratado Orçamental a cumprir, metas que não são esporádicas”, disse Nuno Magalhães, líder da bancada parlamentar do CDS. Sobre o chumbo da Contribuição de Sustentabilidade, Magalhães diz querer ler o acórdão já que a maioria seguiu “as referências e entendimento do TC noutros acórdãos “para elaborar esta medida”.

Da decisão conhecida esta quinta-feira, o PSD retira o lado positivo. “Previsibilidade e estabilidade é aquilo de que o país precisa, e com esta decisão demos um passo adicional para isso, porque o Tribunal Constitucional aceitou a compatibilidade de algumas medidas, e por isso com trabalho acrescido iremos certamente encontrando soluções para ultrapassar o problema que o TC agora suscitou”, disse o vice-presidente do PSD José Matos Correia.

“Parece que há abertura do TC, como ficou expresso na aceitação da compatibilidade das medidas para 2014 e 2015″, disse.