Rádio Observador

Crise no GES

Família Espírito Santo foi a principal financiadora da campanha de Cavaco em 2006

5.327

Membros da família Espírito Santo financiaram a candidatura de Cavaco nas presidenciais de 2006. Ricardo Salgado deu a quantia máxima. O construtor José Guilherme também foi generoso.

Cavaco Silva venceu as presidenciais de 2006

AFP/Getty Images

Cinco membros da família Espírito Santo e três administradores do Grupo financiaram a campanha de Cavaco Silva para as eleições que o elegeram Presidente da República, em 2006, noticia esta quinta-feira o Diário de Notícias. De acordo com as contas das campanhas dessas eleições, que o jornal consultou junto do Tribunal Constitucional, no total, chegaram à campanha do candidato apoiado pelo PSD mais de 152 mil euros vindos do universo BES. O que representa 7% do total do financiamento obtido.

Ricardo Salgado doou na altura o valor máximo então permitido por lei – 22.482 euros -, e o mesmo fizeram António Ricciardi e José Manuel Fernando Espírito Santo. A estes juntaram-se donativos de outros membros do ‘núcleo duro’ da família, como José Maria Ricciardi, presidente do BESI, que financiou a campanha de Cavaco Silva com 15 mil euros.

Banqueiros como João Rendeiro, então líder do BPP, Horácio Roque, na altura líder do Banif, e Paulo Teixeira Pinto, do BCP, também contribuíram para o financiamento da campanha cavaquista, com 22.482, 20 mil e 5 mil euros, respetivamente. E outros, diz o DN, deram dinheiro às duas campanhas – de Cavaco e de Soares. Foram os casos dos banqueiros Jardim Gonçalves e José Oliveira e Costa, então presidente do BPN.

Família de ‘Zé Grande’ doa 55 mil euros a Cavaco

José Guilherme, o construtor conhecido por Zé Grande envolvido no processo Monte Branco, que terá dado 14 milhões de euros como ‘prenda’ a Ricardo Salgado, também deu importantes contributos à campanha do atual Presidente. No total, o construtor da Amadora e a sua família doaram àquela campanha 55 mil euros, sendo que do bolso direto de José Guilherme saíram precisamente 20 mil euros. No nome da sua mulher foram doados, precisamente no mesmo dia, outros 20 mil. E cerca de 10 dias depois foi a vez dos dois filhos do casal, José e Paulo, doarem cada um a generosa quantia de 15 mil euros.

Paulo Guilherme, recorde-se, é um dos acionistas de referência da Caixa Económica Montepio Geral – o banco comercial do grupo mutualista Montepio, que tem estado a ser alvo de uma auditoria forense a pedido do Banco de Portugal para apurar o nível de exposição que o banco tem ao GES.

Mais empresários do lado de Cavaco do que de Soares

Mas o financiamento à campanha de Cavaco não foi feito só pela banca. Grandes empresários de vários ramos também tiveram um papel significativo nesta matéria. Américo Amorim, João Pereira Coutinho, Dionísio Pestana, António Mota (Mota-Engil), Manuel Fino (SDC Investimentos), Manuel Violas (Solverde) ou Nuno Vasconcelos (Ongoing) foram alguns nomes que fizeram da campanha de Cavaco a mais financiada por empresários naquele ano.

E se é certo que a campanha de Cavaco teve um forte apoio da banca e liderou nos apoios dos empresários, a do candidato socialista Mário Soares também não foi esquecida. Francisco Murteira Nabo, presidente não executivo da Galp e Jorge Armindo, presidente da Amorim Turismo, contribuíram cada um com 10 mil euros; Rui Nabeiro, da Delta, e Ilídio Pinho contribuíram com a quantia máxima, e o empresário de Macau Stanley Ho também doou 20 mil euros a Soares, e outros 20 mil a Cavaco.

Pedro Queiroz Pereira, da Semapa, Carlos Monjardindo e Miguel Pais do Amaral também foram importantes financiadores da campanha socialista.

Por outro lado, as campanhas de Manuel Alegre, Francisco Louçã, Jerónimo de Sousa e Garcia Pereira não receberam donativos da banca nem dos grandes empresários do país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)