Rádio Observador

Neurociência

A serotonina influencia tanto estados de felicidade como a sensibilidade à dor

Quando a serotonina é produzida no cérebro o indivíduo torna-se menos sensível à dor. Este pode ser um passo no tratamento da dor crónica.

A produção de serotonina influencia a felicidade e o bem-estar

Christopher Furlong/Getty Images

A serotonina, associada normalmente aos estados de felicidade e bem-estar, também tem um papel na sensibilidade à dor. Uma equipa de investigadores liderada por Zachary Mainen, diretor do Programa Champalimaud de Neurociências da Fundação Champalimaud, demonstrou que quando a produção de serotonina era estimulada nos neurónios havia uma redução da sensibilidade à dor.

“O efeito da libertação de serotonina foi claro”, disse em comunicado de imprensa Guillaume Dugué, primeiro autor do estudo publicado esta sexta-feira pela PLOS One. “Os ratinhos onde tínhamos estimulado a libertação de serotonina revelaram um decréscimo significativo na sensibilidade à dor, quando comparados com os ratinhos do grupo de controlo.”

A equipa tem concentrado a investigação no Núcleo Dorsal da Rafe – um conjunto de células localizado numa região profunda do cérebro – cuja principal função se acredita que seja produzir serotonina, mas que também produz outras moléculas. O difícil acesso a esta zona do cérebro dificulta a investigação ao ponto de não se ter a certeza que células produziam a serotonina. “Verificámos que os neurónios individuais do núcleo dorsal da rafe são ativados por estímulos sensoriais e comportamentos motores muito diversos e específicos. A limitação para estes estudos é que não sabíamos quais destes neurónios produziam serotonina”, explica ao Observador Zachary Mainen.

Estimular neurónios com luz

Para poder estudar os neurónios que produzem serotonina, os investigadores marcaram-nos geneticamente com moléculas sensíveis à luz. Assim, recorrendo a uma técnica chamada optogenética, os investigadores podiam estimular as células com luz e induzir a produção de serotonina. “Podemos ativar especificamente aqueles neurónios através da iluminação com uma fibra óptica colocada no núcleo dorsal da rafe”, refere o investigador principal.

Os ratos de laboratório que viram os neurónios que produzem serotonina estimulados demonstraram menor sensibilidade à dor, acrescentando mais uma função à serotonina que se julga estar envolvida no controlo do sono e do apetite, no bem-estar e comportamentos sociais ou no desejo sexual. “No futuro é possível que uma estimulação específica dos neurónios que produzem serotonina possa ser usada para mimetizar a função da serotonina no tratamento da dor drónica. Mas ainda há muito trabalho a fazer para perceber que outros efeitos tem a serotonina”, diz Zachary Mainen. “Estamos a testar tanto o impacto da serotonina noutras funções como a usar diferentes técnicas optogenéticas para medir o que ativa esses neurónios.”

Tida como responsável pela sensação de bem-estar e felicidade, a serotonina é muitas vezes usada no tratamento de estados depressivos. Para aumentar os níveis de serotonina pode recorrer-se a medicamentos, mas também a uma dieta específica, ao aumento da exposição à luz ou à realização de exercício físico. Porém, não se sabe exatamente como ela atua nos casos dos medicamentos, uma vez que a serotonina produzida fora do cérebro – como o aparelho digestivo produz 80 a 90% da serotonina do organismo – não passa a barreira hematoencefálica – um filtro que impede muitas moléculas e agentes patogénicos de chegar ao cébebro. Por outro lado o excesso de serotonina também pode ter efeitos negativos: agitação, perda de coordenação motora ou dores de cabeça.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)