As autoridades do nordeste da China, região afetada pela maior seca dos últimos 60 anos, decidiram recorrer a chuva artificial com o “bombardeamento” das nuvens com produtos químicos, para tentarem aliviar a situação que faz temer graves problemas alimentares e de inflação devido às fracas colheitas.

A província de Liaoning, uma das mais afetadas, recebeu as primeiras chuvas em muito tempo no último fim de semana e na passada segunda-feira, revelou a agência Xinhua.

Com recurso à chuva artificial, um sistema utilizado na China também para combate a incêndios, as autoridades chinesas conseguiram nos últimos dias que ‘caíssem’ 360 milhões de metros cúbicos de água nas zonas mais afetadas pela seca, principalmente nos arredores da cidade de Chaoyang.

Pelo menos 4,39 milhões de hectares de campos de cultivo – 44.000 quilómetros quadrados ou o equivalente à área total da República Dominicana – estão a ser afetados pela seca na China que afeta ainda 2,35 milhões de pessoas.