As exportações de vinho verde cresceram 14,2% no primeiro semestre de 2014 face a igual período de 2013, disse esta terça feira à agência Lusa o presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV). Manuel Pinheiro informou que, em valor, as exportações atingiram 27,3 milhões de euros até junho contra 23,9 no período homólogo do ano passado.

A Alemanha foi o país que mais vinho verde comprou nos primeiros seis meses deste ano, ultrapassando assim os Estados Unidos. “Este ano, o mercado alemão cresceu muito e é possível que, no fim, passe a ser o nosso maior mercado”, acrescentou Manuel Pinheiro. Dados oficiais indicam que os alemães compraram 6,9 milhões de euros de vinho verde, quase mais 40 por cento do que no mesmo período de 2013.

As vendas para os Estados Unidos subiram de 5,2 milhões de euros no ano passado para 5,8 milhões este ano. O presidente da CVRVV realçou ainda que “as exportações estão a aumentar, mantendo-se os preços, o que é saudável”. “Mas precisamos de dar um novo passo, que é a valorização do produto”, acrescentou.

Questionado sobre quais são as perspetivas para a vindima deste ano, que “abrirá lá para o dia 20”, o responsável começou por referir estar à espera de uma “quantidade moderada” e recordou que as quantidades disponíveis de vinho verde estão a um nível baixo.

“Precisamos de toda a uva produzida. Já estamos há quatro anos com uma produção baixa”, realçou Manuel Pinheiro, confiante por outro lado, nos resultados da reconversão de vinhas antigas que se verifica na região, que anda pelos 700 hectares por ano. As vinhas novas têm não só “mais qualidade” como também produzem mais, destacou.

A qualidade vai ser melhor este ano, segundo Manuel Pinheiro. “Pode ser um bom ano, mas não foi fácil. Os produtores, mercê das chuvas, tiveram de fazer tratamentos maiores. Houve vários produtores que fizeram 12 tratamentos” contra o míldio e a “flavescência dourada”, o que faz aumentar os seus custos, salientou.