União Europeia

Juncker já aceitou os nomes propostos para a Comissão e ficou com nove mulheres

Os nomes já estão, agora faltam as pastas. O novo presidente da Comissão Europeia aceitou os nomes enviados pelos Estados-membros. Passos espera que pasta de Moedas traga "motivação" ao país.

Pastas são conhecidas a 9 ou 10 de setembro

Sean Gallup

À última hora, lá apareceram as mulheres tão esperadas por Juncker. Tanto a Polónia, como a Roménia, antevendo uma melhor pasta no próximo Executivo, trocaram os nomeados por nomeadas e com uma ajuda da Bélgica que escolheu a sua candidata no limite do prazo, perfizeram o número mínimo de mulheres para que esta Comissão passe no Parlamento Europeu. Falta ainda conhecer as pastas que cada país vai receber, mas Passos Coelho tem esperança de uma boa pasta para Portugal.

As entrevistas parecem ter corrido bem e depois de falar com todos os nomeados pelos 26 países (o presidente é do Luxemburgo e a Alta Representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, cargo decidido no último fim de semana, é italiana), Juncker aprovou-os. Isto tem a ver também com o facto da comissão Juncker ter igualado o número de mulheres que a atual comissão de Barroso tem e assim assegurar o apoio dos socialistas na necessária aprovação pelo Parlamento Europeu em outubro – se isto não acontecesse, foi dito ao Observador que alguns países poderiam ter de mudar a sua nomeação, incluindo Portugal.

As pastas vão ser conhecidas na próxima semana, no dia 9 ou 10. Mesmo sem desvendar qual a pasta de Carlos Moedas (o Financial Times teve acesso a um documento em que o indicava como comissário do Emprego, informação entretanto desmentida por fontes ouvidas pelo Observador), Passos Coelho disse esta sexta-feira que espera que o portefólio traga “motivação adicional” ao país no seu esforço de “desenvolvimento e crescimento”.

Espero que Portugal venha a ter boas razões para ficar satisfeito, mostrar a sua satisfação, com as competências que vão ser atribuídas ao comissário que indicou para a próxima Comissão”, Passos Coelho

Os nomes da equipa seguiram entretanto para Matteo Renzi, primeiro-ministro italiano e presidente do Conselho da União Europeia até dezembro. Conheça os nomes dos novos comissários:

  • Vytenis ANDRIUKAITIS (Lituânia)
  • Andrus ANSIP (Estónia)
  • Miguel ARIAS CAÑETE (Espanha)
  • Dimitris AVRAMOPOULOS (Grécia)
  • Elżbieta BIEŃKOWSKA (Polónia)
  • Alenka BRATUŠEK (Eslovénia)
  • Corina CREŢU (Roménia)
  • Valdis DOMBROVSKIS (Letónia)
  • Kristalina GEORGIEVA, (Bulgária)
  • Johannes HAHN (Áustria)
  • Jonathan HILL (Reino Unido)
  • Phil HOGAN, (Irlanda)
  • Vĕra JOUROVÁ (Republica Checa)
  • Jyrki KATAINEN (Finlândia)
  • Cecilia MALMSTRÖM (Suécia)
  • Neven MIMICA (Croácia)
  • Carlos MOEDAS (Portugal)
  • Pierre MOSCOVICI (França)
  • Tibor NAVRACSICS (Hungria)
  • Günther OETTINGER (Alemanha)
  • Maroš ŠEFČOVIČ (Eslováquia)
  • Christos STYLIANIDES (Chipre)
  • Marianne THYSSEN (Bélgica)
  • Frans TIMMERMANS (Holanda)
  • Karmenu VELLA (Malta)
  • Margrethe VESTAGER (Dinamarca)

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)