O Estado português atribuiu cerca de 318 mil prestações de desemprego em agosto, deixando sem estes apoios mais de 406 mil desempregados, segundo dados divulgados esta segunda-feira pela Segurança Social. De acordo com os últimos números disponibilizados na página da Segurança Social (www.seg-social.pt), em agosto existiam 318.333 beneficiários de prestações de desemprego, menos 4.732 indivíduos face a julho, e o equivalente a 43% do último número total de desempregados contabilizados pelo Eurostat.

Os últimos dados divulgados pelo Eurostat contabilizavam, em agosto de 2014, um total de 725 mil desempregados, com a taxa de desemprego a situar-se nos 14%. Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em agosto o valor médio de 465,95 euros, face aos 481,94 euros observados um ano antes.

O Porto é o distrito cujo número de beneficiários com prestações de desemprego foi o mais elevado em agosto último, tendo sido atribuídos subsídios a 71.363 desempregados. Seguem-se os distritos de Lisboa (64.778), de Setúbal (28.404) e de Braga (27.092). Do total de 318.741 beneficiários, 163.033 são homens e 155.708 são mulheres, de acordo com os dados publicados no ‘site’ da Segurança Social.

Segundo os dados divulgados a 30 de setembro pelo Eurostat, a taxa de desemprego em Portugal ficou nos 14% em agosto, o mesmo valor registado em julho, enquanto em termos homólogos cedeu 2,1 pontos percentuais, a segunda maior queda da União Europeia.

A taxa de desemprego de 14% em agosto compara com os 16,1% registados há um ano atrás e uma manutenção face aos também 14% de julho deste ano, quando tinha caído ligeiramente em relação aos 14,1% de junho. O desemprego jovem registou uma ligeira subida.