Na semana passada, a Standard & Poor’s reviu em baixa o rating da Finlândia devido à perda da quota de mercado no “setor-chave das tecnologias de informação”, bem como à redução do “importante setor florestal”, revelou a agência de notação. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro finlandês, Alexander Stubb, culpou a Apple pelo declínio das indústrias tecnológica e florestal da Finlândia.

“Dois dos nossos campeões foram abaixo”, disse Stubb à CNBC. “Acho que podemos dizer que o iPhone matou a Nokia e o iPad matou a indústria de papel finlandesa. Mas vamos recuperar”, continuou o primeiro-ministro da Finlândia.

Entre o final dos anos 90 e o início dos anos 2000, a Nokia era líder no mercado de telemóveis. Antes do aparecimento do iPhone em 2007, a empresa finlandesa valia 150 mil milhões de dólares, sendo responsável por cerca de um quarto do crescimento económico do país durante esses anos. Depois, a Nokia perdeu três quartos do seu valor. Em abril, a Microsoft finalizou a compra da empresa por 7 mil milhões de dólares.

Também a indústria florestal e de papel da Finlândia tem sido fortemente afetada. Nos últimos cinco anos, as ações da Stora Enso, uma importante produtora de papel finlandesa, caíram para metade do seu valor, lembra o site Quartz. No final de 2013, o Instituto Finlandês de Pesquisa Florestal chamava a atenção para a má situação da produção de papel no país, prevendo que a produção e as exportações continuassem a cair, escreve a CNBC.

Apesar de poder parecer forçado atribuir esta situação ao sucesso do iPad, a verdade é que os tablets, os leitores eletrónicos e os smartphones estão em concorrência direta com a indústria livreira e com os jornais e revistas impressos.