A banca nacional tinha no final de 2013 mais de 34 mil milhões de euros emitidos em dívida hipotecária, um dos instrumentos que o BCE já começou a comprar no mercado numa tentativa de estimular a concessão de crédito na zona euro e combater o risco de deflação.

O Público cita nesta quinta-feira dados da Bloomberg que indicam que o programa do BCE de compra de dívida hipotecária já avançou esta semana e a instituição liderada por Mario Draghi começou, precisamente, por comprar títulos de bancos portugueses e franceses. A agência indica que, além destes, já foram comprados títulos de bancos de Itália, Espanha e Alemanha.

Segundo dados do European Covered Bond Council, existiam no final de 2013 em Portugal 34.199 milhões de euros de obrigações hipotecárias. Nos 13 países da zona euro para os quais são apresentados dados, Portugal é o sexto com um valor mais elevado, ficando à frente de economias de maior dimensão, nota o Público.

Este foi um instrumento a cuja emissão os bancos portugueses recorreram de forma intensiva quando os mercados financeiros começaram a fechar-se para Portugal e para as empresas nacionais, no início da crise europeia, e a emissão de dívida sem garantia deixou de ser uma possibilidade. Quando um banco emite dívida com garantias, que neste caso dizem respeito predominantemente a créditos imobiliários ou ao Estado, tende a obter o financiamento pretendido a juros mais baixos. Além disso, esses títulos são elegíveis para servirem de garantia para obter novo financiamento junto do BCE.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além da compra de dívida hipotecária, o BCE já anunciou que irá avançar, também, com a compra de empréstimos bancários titularizados. Neste caso um banco agrega num título um conjunto de créditos concedidos a empresas ou particulares. De acordo com os dados publicados pela Securities Industry and Financial Markets Association (SIFMA), citados pelo Público, no final do segundo trimestre havia um montante total de créditos titularizados em Portugal de 34.500 milhões de euros, de um total de 863 mil milhões em toda a zona euro.