O líder parlamentar do PSD afirmou esta quinta-feira que as jornadas parlamentares do PSD/CDS vão servir para fazer uma reflexão aprofundada sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2015 e pensar “possíveis alterações” a fazer no debate na especialidade. Reafirmar que a coligação está em bom estado, também estará na ordem do dia. “Não temos nenhuma tensão na coligação”, afirmou Luís Montenegro.

No programa das jornadas parlamentares consta uma intervenção de cada um dos ministros do Governo, pelo que o PSD considera que será o palco adequado para “fazer uma reflexão acerca do trabalho do Governo à luz da proposta do Orçamento do Estado”. “Teremos a oportunidade de interagir com os ministros e compreender, ministério a ministério, o trabalho que foi feito no âmbito do Orçamento do Estado para 2015”, disse o líder da bancada social-democrata, acrescentando que depois disso serão tiradas as primeiras “conclusões sobre possíveis alterações a fazer na especialidade”.

Não quis, no entanto, antecipar que alterações possam ser essas. “As jornadas são o primeiro momento em que os dois grupos parlamentares se vão defrontar com o tema”, disse, admitindo no entanto que “há normas que podem ser melhoradas”. E que, apesar de não haver “nenhuma tensão dentro da coligação”, também o CDS pode ter “opiniões” diferentes sobre as normas do OE a melhorar, nomeadamente no que diz respeito à reforma fiscal, admitiu.

“Há uma convergência de posições apesar de não pensarmos todos da mesma maneira”, disse Luís Montenegro aos jornalistas na antecipação das jornadas do partido. Mas relativizou as eventuais diferenças: “há uma confluência de posições em relação à proposta do Orçamento que está em cima da mesa”, disse, reforçando que os dois grupos parlamentares “se reveem na filosofia global” do Orçamento.

As jornadas parlamentares conjuntas entre os dois partidos da maioria, PSD e CDS, decorrem entre esta sexta-feira e sábado na Assembleia da República.