Os Estados Unidos vão impor sanções à Coreia do Norte como resposta pelos ataques informáticos contra a Sony Pictures Entertainment que as autoridades norte-americanas atribuem ao país asiático, avança esta sexta-feira a Associated Press. Esta será a primeira parte da resposta “proporcional” prometida por Obama depois de o FBI ter envolvido a Coreia do Norte no caso.

A administração Obama autorizou esta sexta-feira as sanções, que se juntam às punições impostas à Coreia do Norte devido ao programa nuclear. As medidas agora aprovadas deverão afetar diretamente três entidades do país asiático, incluindo uma agência de espionagem, segundo a AP.

Paralelamente serão sancionados 10 indivíduos que trabalham para estas entidades ou para o Governo norte-coreano. Segundo o New York Times, que cita a Casa Branca, as autoridades não estão certas do envolvimento destes indivíduos nos ataques à Sony, mas acusam-nos de terem participado em outros atos de provocação contra os EUA.

As sanções proíbem os visados de utilizar o sistema financeiro norte-americano e impede os cidadãos americanos de negociarem com a Coreia do Norte. Mas, de acordo com o jornal norte-americano, estas penalizações podem não passar de atos simbólicos, uma vez que o país já enfrenta duras sanções.

O FBI acusou em meados de dezembro a Coreia do Norte de estar por detrás dos ataques à Sony Pictures, devido ao filme “The Interview”, que conta a história de um golpe da CIA para matar o ditador norte-coreano Kim Jong-un. Barack Obama disse na altura que os EUA iriam responder de forma proporcional, no local e no momento que escolhessem.

A Coreia do Norte respondeu garantindo não ter qualquer ligação aos ataques informáticos e propondo uma investigação conjunta com os EUA.

Analistas e empresas de segurança online têm questionado as afirmações do FBI e do presidente Obama, defendendo que as provas apresentadas pelas autoridades norte-americanas não são suficientes para acusar a Coreia do Norte. Como escreve o New York Times, há quem defenda que os EUA podem ter sido enganados por hackers. Alguns dos analistas ouvidos pelo LA Times consideram que o nível dos ataques revela um conhecimento profundo do sistema interno da Sony e sugere que os ataques terão sido levados a cabo por alguém pertencente à empresa.