Menos pressões para com a Rússia e mais diálogo. As Relações Externas da União Europeia prepararam um documento onde se fala da diminuição de sanções, que incluem a retoma das negociações para a isenção de vistos com a Rússia e a cooperação com a União Económica da Eurásia. Basta que o presidente russo Vladimir Putin acabe com a crise no leste da Ucrânia.

O documento, ao qual o Wall Street Journal teve acesso, tem como objetivo gerar pontos para discussão, mas o jornal refere que este é o primeiro esforço sério que os responsáveis europeus fazem no sentido de diminuir as tensões com a Rússia. As ideias refletem em grande medida o pensamento do grupo que defende que é tempo de passar ao diálogo e não a mais pressões.

O documento, que ainda não foi enviado aos Estados-membros, foi preparado em antecipação da reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros deste mês, marcada para dia 19 em Bruxelas. Mas tudo depende de a Rússia honrar o acordo de paz (e o acordo de fornecimento de gás) com a Ucrânia, bem como respeitar o Acordo de Associação entre a UE e a Ucrânia. Não se espera que saiam desta reunião decisões imediatas, mas no centro da discussão vai estar a abordagem que deve ser feita à Rússia a médio prazo.

Esta terça-feira, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que a UE voltará a analisar em março os novos passos a dar relativamente às sanções contra a Rússia.